Transfeminismo: Teoria & Práticas

Autor:Henrique Luiz Caproni Neto
Cargo:Mestrando em Administração com ênfase em Estudos Organizacionais e Sociedade pela Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
Páginas:389-394
 
TRECHO GRÁTIS
http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n1p389
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não
Adaptada.
RESENHA REVIEW RESEÑA
TRANSFEMINISMO: TEORIA & PRÁTICAS
TRANSFEMINISM: THEORY & PRACTICE
TRANSFEMINISMO: TEORÍAS Y PRÁCTICAS
JESUS, Jaqueline Gomes de (org.). Transfeminismo: teorias & práticas. Rio de
Janeiro: Editora Metanoia, 2014. 206 pp.
Na apresentação, destaca-se que este livro é sobretudo fruto de encontros
virtuais e do simpósio "Feminismo Transgênero e Transfeminismo" realizado no
seminário internacional Fazendo Gênero 10, realizado na UFSC em setembro de
2013. A temática do transfeminismo vem se tornando mais reconhecida no Brasil
principalmente pela internet. O livro reúne pensadores brasileiros e portugueses
buscando um aprofundamento dessa linha e ação feminista decorrente dos
movimentos sociais e do meio acadêmico, objetivando conexões teóricas e
pragmáticas entre estudos de gênero, feminismo e transgêneros. A obra é dividida
em duas seções: a primeira volta-se para as interlocuções teóricas do
transfeminismo e a segunda, para aplicações do mesmo. Entende-se que o
pensamento transfeminista está em construção, bem como em resignificação para o
contexto brasileiro.
O livro inicia com o texto "Interlocuções teóricas do pensamento
transfeminista" de Jaqueline Gomes de Jesus, enfatizando que o transfeminismo
pode ser conceituado como uma forma de pensamento e prática que rediscute a
subordinação morfológica do gênero (como construção psicossocial) ao sexo (como
biologia), relacionada com processos históricos, contra as opressões baseadas na
norma binária. Seus fundamentos são identificados na consciência política e de
resistência de pessoas trans e no feminismo negro abrangendo a
interseccionalidade das opressões. Critica-se, no entanto, que a compreensão das
diferenças entre sexos e gênero se restringe à academia e ainda não foi incorporada

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO