Consumo consciente: o ecocapitalismo como ideologia

Autor:Maria das Graças e Silva - Nailsa Maria Souza Araújo - Josiane Soares Santos
Cargo:Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) - Universidade Federal de Sergipe (UFS) - Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Páginas:95-111
RESUMO

Este texto tem como objetivo oferecer um conjunto de problematizações acerca do "consumo consciente". Trata-se de um ensaio de natureza bibliográfica cuja tese central consiste em afirmar que, sob a prevalência do mundo mercantil, não se institui, de fato, o consumo consciente como afirmação do princípio da sustentabilidade socioambiental. Procura-se revelar o caráter ideológico desta formulação, ... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
95
R. Katál., Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 95-111, jan./jun. 2012
“Consumo consciente”: o ecocapitalismo como
ideologia
“Conscious Consumption”: Ecocapitalism as Ideology
Maria das Graças e Silva
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Nailsa Maria Souza Araújo
Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Tradução para o inglês de Jeffrey Hoff.
Recebido em 15.10.2011.Aprovado em 15.12.2011. Received Oct. 15, 2011. Approved Dec. 15, 2011.
ENSAIO
“Consumo consciente”: o ecocapitalismo como ideologia
Resumo: Este texto tem como objetivo oferecer um conjunto de problematizações acerca do “consumo consciente”. Trata-se de um
ensaio de natureza bibliográfica cuja tese central consiste em afirmar que, sob a prevalência do mundo mercantil, não se institui, de fato,
o consumo consciente como afirmação do princípio da sustentabilidade socioambiental. Procura-se revelar o caráter ideológico desta
formulação, que associa o consumismo e a possibilidade de sua superação apenas à necessidade de mudanças comportamentais sem que
se explicitem suas dimensões socioeconômicas e sua funcionalidade como mecanismo de reprodução da lógica destrutiva do capital.
Palavras-chave: Consumismo. Consumo consciente. Ecocapitalismo. Perdularidade.
“Conscious Consumption”: Ecocapitalism as Ideology
Abstract: The purpose of this article is to raise a set of questions about “conscious consumption.” It is an essay of a bibliographic
nature whose central thesis consists in affirming that in a capitalist society conscious consumption cannot be instituted as an affirmation
of the principle of socioenvironmental sustainability. The paper presents the ideological nature of this formulation, which associates
consumerism and the possibility of overcoming it only to the need for behavioral changes, without explaining its socioeconomic
dimensions and its functionality as a mechanism for the reproduction of the destructive logic of capital.
Keywords: Consumerism. Conscious consumption. Ecocapitalism. Wastefulness.
Josiane Soares Santos
Universidade Federal de Sergipe (UFS)
96 Maria das Graças e Silva, Nailsa Maria Souza Araújo e Josiane Soares Santos
R. Katál., Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 95-111, jan./jun. 2012
Introdução
A intensificação da destrutividade ambiental tem
colocado a humanidade em face de um conjunto de
problemáticas que impactam, direta ou indiretamente,
as condições de reprodução da vida planetária. O au-
mento exponencial do lixo, a contaminação e redução
das fontes de água potável, o aquecimento global, o
desmatamento, a descartabilidade e a redução da
biodiversidade são alguns dos fenômenos cada vez mais
evidentes, afetando as possibilidades de reprodução do
sistema do capital, além de impactarem as múltiplas
formas de vida orgânica, sobretudo, a dos segmentos
mais pauperizados das classes trabalhadoras.
As alternativas, hegemonicamente presentes no
debate ambiental, apontam para um conjunto de ini-
ciativas de ordem técnica e comportamental, cau-
cionadas na defesa do aprimoramento e da
ecologização do capital: trata-se de um discurso que
propala a capacidade do sistema de compatibilizar
“desenvolvimento econômico e preservação
ambiental”, desde que os indivíduos adotem postu-
ras mais respeitosas para com a natureza. Sob o
manto da responsabilidade socioambiental, os mei-
os de comunicação enfatizam, cotidianamente, ex-
periências bem sucedidas, iniciativas empresariais
“sustentáveis”, revelando uma ofensiva ideológica
sem par, cujo fim é convencer a todos de que é
possível superar a degradação ambiental sob o sig-
no do capital.
A defesa da necessidade de mudanças nos “pa-
drões de consumo” ganha relevo neste debate, ten-
do em vista o imenso desperdício de recursos natu-
rais resultante, sobretudo, da expansão irrefreada do
consumo de materiais descartáveis e de artigos de
luxo. Espraia-se a ideia de que a intensificação do
consumo e dos valores que lhe dão suporte vem agra-
vando a dilapidação ambiental e a questão social.
O argumento não poderia ser mais justo e sedu-
tor: a insustentabilidade do modelo vigente reside na
extrema polarização no acesso ao mercado e se
manifesta no consumo excessivo de uns e na interdi-
ção de muitos às condições de satisfazerem suas
necessidades elementares, a exemplo da alimenta-
ção, saúde, moradia e educação. Neste sentido, ad-
voga que especial atenção deve ser dedicada à de-
manda de recursos naturais, resultante desta tendên-
cia, bem como à poluição que daí deriva.
Em consequência desta realidade é que vem to-
mando corpo o “consumo consciente”, propugnado
pelos seus idealizadores como alternativa à crescen-
te perdularidade que medeia a relação entre socie-
dade e natureza na contemporaneidade. Trata-se de
converter o consumo em “ato consciente”, sobretu-
do quanto aos seus impactos na sociedade e na na-
tureza. “O objetivo do consumo, quando consciente,
extrapola o atendimento de necessidades individu-
Introduction
The intensification of environmental destructivity
has faced humanity with a set of problems that directly
and indirectly impact the conditions for the
reproduction of planetary life. The exponential
increase in the amount of garbage, the contamination
and reduction of potable water sources, global
warming, deforestation, discardability and reduction
of biodiversity are some of the increasingly more
evident phenomenon. They affect the reproductive
possibilities of the capitalist system and impact multiple
ways of life, above all, those of the poorest segment
of the working classes.
The alternatives presented as hegemonic in the
environmental debate point to a set of technical and
behavioral initiatives that defend improving capital and
making it “ecological”. The discourse promotes the
ability of the system to make economic development
compatible with environmental preservation, as long
as individuals adopt more respectful stances towards
nature. Under the mantle of socioenvironmental
responsibility, the communication media regularly
emphasize successful experiences, “sustainable
business initiatives”, revealing an unequaled
ideological offensive that attempts to convince
everyone that it is possible to overcome environmental
degradation under capitalism.
A defense of the need to change “consumption
standards” is highlighted in this debate, considering
the immense waste of resources caused above all by
the unchecked expansion of the consumption of
discardable materials and luxury items. The idea is
promoted that the intensification of consumption and
the values that support it have aggravated
environmental degradation and social problems.
The argument could not be more just and
seductive: the unsustainability of the ruling model re-
sides in the extreme polarization of access to the
market and is manifest in excessive consumption by
some, while a large portion of the world’s population
does not have access to the conditions required to
satisfy their basic needs such as food, healthcare,
housing and education. In this sense, it advocates that
special attention must be dedicated to the demand
for natural resources, caused by these trends, as well
as the pollution which derives from it.
A “conscious consumption” movement has been
gaining strength as a consequence of this reality,
and is promoted by its theorists as an alternative
to the growing wastefulness that mediates the
relationship between society and nature. It involves
converting consumption into a “conscious act”,
with special reflection on the impacts the use and
production of goods have on society and nature.
“The object of consumption, when conscious, goes
beyond serving individual needs. It considers its

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO