Os binômios normal-patológico consciente-inconsciente no discurso da clínica psi

Autor:Ana Cristina Costa Lima - Sandra Noemi Cucurullo de Caponi
Cargo:Professora do Mestrado em Ciências da Saúde e do Curso de Psicologia - Professora do Departamento de Sociologia e Ciências Políticas
Páginas:47-66
RESUMO

O objetivo é analisar as diferenças entre os binômios normal-patológico¦conscienteinconsciente, no contexto dos periódicos: Revista Brasileira de Psicanálise e Revista de Psiquiatria Clínica. Uma leitura crítica dessas revistas, a partir dos aportes teóricos de Foucault e Canguilhem e da leitura de especialistas atuais nesses autores, mostra de que modo os processos de subjetivação e normalização ... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1984-8951.2013v14n104p47
Os binômios normal-patológicoconsciente-inconsciente no
discurso da clínica psi
The binomial normal-pathologic and the binomial conscious-
unconscious in the discourse from the psy field
Ana Cristina Costa Lima1
Sandra Noemi Cucurullo de Caponi2
Resumo
O objetivo é analisar as diferenças entre os binômios normal-patológicoconsciente-
inconsciente, no contexto dos periódicos: Revista Brasileira de Psicanálise e Revista
de Psiquiatria Clínica. Uma leitura crítica dessas revistas, a partir dos aportes
teóricos de Foucault e Canguilhem e da leitura de especialistas atuais nesses
autores, mostra de que modo os processos de subjetivação e normalização do
sofrimento psíquico e dos comportamentos são desenvolvidos pela psiquiatria clínica
e pela psicanálise no período estudado. Conclui-se que o discurso psiquiátrico
construído em torno de uma visão biológica do normal e patológico limitou a
complexidade epistêmica inserida no campo psi pela psicanálise.
Palavras-chave: Humanidades. Psiquiatria. Psicanálise. Normalidade.
Abstract
Our main objective is to examine the differences between the binomial normal-
pathologic and the binomial conscious-unconscious in the contexts of the journals:
Revista Brasileira de Psicanálise and Revista de Psiquiatria Clínica. A critical view of
these journals from theoretical background of Foucault and Canguilhem, and from
current scholars of these authors show how the process of constituting subjectivity
and normalization of the psychic suffering and behaviors are developed by the
clinical psychiatry and by the psychoanalysis during the studied period. We conclude
that the psychiatric discourse, constructed around a biological view of the normal and
pathological, has limited the epistemic complexity inserted in the psy field by
psychoanalysis.
Keywords: Humanities. Psychiatry. Psychoanalysis. Normality.
1. Introdução
Na realização desse estudo, primeiramente se compreende que o processo
1Professora do Mestrado em Ciências da Saúde e do Curso de Psicologia. Universidade Federal de
Santa Catarina. E-mail: lima.anac@gmail.com.
2Professora do Departamento de Sociologia e Ciências Políticas. Centro de Filosofia e Ciências
Humanas. Universidade Federal de Santa Catarina. E-mail: sandracaponi@gmail.com.
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.
48
Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, v.14, n.104, p.47-66, jan/jul 2013
de medicalização transpassa todos os âmbitos da existência e suas manifestações
e, em seguida, que esse processo naturaliza a normalidade como a ausência de
patologias.
O discurso psiquiátrico construído em torno de uma visão biológica do normal
e patológico (centrada no diagnóstico, remissão de sintomas e cura) limitou a
complexidade epistêmica inserida no campo psi pela psicanálise. Uma leitura crítica
da Revista Brasileira de Psicanálise e da Revista de Psiquiatria Clínica pode nos
auxiliar a entender aspectos da visão reducionista da complexidade psicológica do
ser humano, que na atualidade é majoritária no campo psi.
O campo psi é interdisciplinar e, de modo peculiar, a psiquiatria clínica e a
psicanálise se constituem entre os saberes das ciências humanas e das ciências
biomédicas. No sentido de analisar aspectos do campo, os principais autores
estudados são das áreas de epistemologia, filosofia e ciências humanas, o que
possibilita uma maior aproximação da compreensão das formações discursivas de
cada área.
O artigo aborda parcialmente o conteúdo de tese de doutorado, que analisou
artigos escolhidos da Revista Brasileira de Psicanálise, desde a primeira edição, em
1967, e da Revista de Psiquiatria Clínica, desde a primeira edição em 1972, até o
ano de 2009. O foco do artigo são as diferenças entre os binômios
normalpatológico e conscienteinconsciente nas abordagens na clínica psi.
2. Aspectos político-ideológicos
O contexto de passagem para o século XXI contrasta com os movimentos
chamados por Foucault de insurreição dos saberes sujeitados, uma força essencial
dos discursos e dos saberes que foram desqualificados pelo status quo científico ou
erudito. Nos anos 1960-70, o discurso insurreto de médicos psiquiatras,
psicanalistas, entre outros no campo psi, expressa uma contracultura, no caso, uma
contraciência. Foucault diz no curso Em defesa da sociedade (aula de 7 de janeiro
de 1976) que
nos últimos dez ou quinze anos, a imensa e prolífera criticabilidade das
coisas, das instituições, das práticas, dos discursos; uma espécie de
friabilidade geral dos solos, mesmo, talvez sobretudo, os m ais familiares, os
mais sólidos e m ais próximos de nós, de nosso corpo, de nossos gestos de

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO