Recrutamento e modalidades de entrada na carreira política: candidatos aos cargos legislativos no Rio Grande do Sul (1998 - 2006)

Autor:Rodrigo da Rosa Bordignon
Cargo:Professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina
Páginas:351-379
RESUMO

O presente trabalho é resultante do aproveitamento parcial de uma pesquisa3 realizada anteriormente, centrada no problema geral das relações entre a estrutura do espaço social e do espaço político, e seus efeitos para as chances e modalidades de entrada na política. A análise proposta dedica-se ao exame das relações entre recursos sociais, partidos e modalidades de entrada na concorrência... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
http://dx.doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n35p351
351351 – 379
Recrutamento e Modalidades
de Entrada na Carreira Política:
candidatos aos cargos legislativos no
Rio Grande do Sul (1998 – 2006)1
Rodrigo da Rosa Bordignon2
Resumo
O presente trabalho é resultante do aproveitamento parcial de uma pesquisa3 realizada anterior-
mente, centrada no problema geral das relações entre a estrutura do espaço social e do espaço
político, e seus efeitos para as chances e modalidades de entrada na política. A análise proposta
dedica-se ao exame das relações entre recursos sociais, par tidos e modalidades de entrada na
concorrência eleitoral. O objetivo central é apreender o modo através do qual se definem as
oposições que constituem o espaço de concorrência eleitoral no contexto em análise. Para isso,
foram utilizadas informações coletadas junto ao TRE-RS, as quais foram confrontadas aos modos
de justificação do ingresso na disputa por cargos de representação política. As principais indica-
ções apontam para uma associação entre recursos de posição social, partidos e modalidades de
entrada na concorrência eleitoral.
Palavras-chave: Recrutamento. Entrada na política. Recursos sociais. Partidos. Representação
política.
Introdução
As diferentes possibilidades e modalidades de ingresso em eleições gerais
para a disputa de sufrágios estão associadas a dois fenômenos interdependen-
tes. Em primeiro lugar, a objetivação da concorrência eleitoral como uma
atividade especíca, a qual impõe seus requisitos de entrada e mecanismos
de reprodução e tem efeitos signicativos nas interações entre agentes sociais
1 Uma versão preliminar deste artigo foi apresentada no 36º Encontro Anual da Anpocs, GT 16 – Grupos Diri-
gentes e Estruturas de Poder. Agradeço aos comentários de Igor Grill, Ernesto Seidl e Mário Grynszpan.
2 Professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina.
Email: rrbordignon@hotmail.com.
3 Intitulada Recursos sociais e modalidades de entrada na política: recrutamento e seleção de elites políticas no
Rio Grande do Sul entre 1998 e 2006 (BORDIGNON, 2011).
Recrutamento e Modalidades de Entrada na Carreira Política: candidatos aos cargos legislativos no Rio Grande do Sul
(1998 – 2006) | Rodrigo da Rosa Bordignon
352 351 – 379
e esta esfera de atividades especializadas. Em segundo lugar, por se tratar de
uma modalidade de atuação cujo objetivo é o reconhecimento e sua con-
versibilidade em votos, a ambivalência da função de representação frente à
esfera política supõe a manipulação de princípios de classicação social e a de-
monstração pelo “exemplo”. Isso signica que a constituição e reprodução da
“política”como um “campo” de lutas estão associadas a conjunturas históricas
e sociais particulares, dependentes da existência objetiva de uma “dimensão
especíca da vida social” (LAGROYE, 1993, p. 33), a qual produz e reproduz
as próprias representações de sua especicidade e “dinâmica”. Nestes termos,
como já demonstrado por outros estudos, os processos históricos e sociais
que estão na base do surgimento do “empreendedor político” como agente
dotado de um conjunto de recursos, atributos” e “competências” necessárias à
inserção em um espaço de atividades especializadas, dependem das condições
de garantia e de legitimação do exercício deste “papel” social e de sua obje-
tivação como prática social legítima (DAMAMME, 1999; DÉLOYE, 1999;
PHELIPPEAU, 1997; WEBER,1982).
Nas lutas político-eleitorais, portanto, os recursos sociais ostentados pelos
pers biográcos dos agentes em concorrência são, ao mesmo tempo, indi-
cadores de recrutamento e seleção de “elites” e princípios de legitimação, os
quais se conectam aos domínios práticos que constituem as relações entre le-
gitimidade social e legitimidade política (GAXIE, 1990). Isso ocorre porque a
luta pela ocupação dos postos de representação política consiste em manipular
e evidenciar determinados princípios de hierarquização e excelência social.
Em vista disso, um dos desaos metodológicos é o de tomar as informações
presentes nos registros ociais, nos pers e currículos dos candidatos sob um
duplo registro: 1) como produções situadas, as quais informam sobre os atri-
butos que remetem a determinadas concepções de “sociedade”, “política” e
“hierarquias”; 2) como indicadores de trajeto e recursos de posição socialque
evidenciam as relações entre a estrutura do espaço social e aquela do espaço
político. Como salienta Coradini (2001, p. 9), os recursos ostentados ou si-
lenciados nas biograas retomam as concepções de sociedade e política inscri-
tas na dinâmica de concorrência eleitoral e, notadamente, as “características
sociais tidas como eleitoralmente pertinentes” em determinados contextos de
disputa. Trata-se de considerar, portanto, as lógicas e razões ser da produção
e divulgação de materiais biográcos, bem como seus efeitos para a produção

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO