Níveis de utilização e importância atribuídos aos indicadores não financeiros por empresas da região sul de Santa Catarina

Autor:Rodney Wernke - Ivone Junges
Cargo:Doutor em Engenharia de Produção (UFSC). Professor no Curso de Administração da UNISUL e no PPPGCC da UNOCHAPECÓ. Av. José A. Moreira, 787 ? Bairro Dehon. CEP 88.704-900 ? Tubarão/SC ? Brasil. E-mail: rodney.wernke@unisul.br. Telefone: (48) 99966-1472 - Doutora em Engenharia de Produção (UFSC). Professora no Curso de Administração da UNISUL. Av...
Páginas:55-87
RESUMO

O artigo pretendeu responder questão ligada ao nível de uso e de relevância atribuída aos indicadores não financeiros e às informações oriundas destes. Foi empregada metodologia descritiva, com abordagem quantitativa e coleta de dados por intermédio de survey. Após revisão da literatura sobre o tema, foram apresentadas as principais características das 207 empresas participantes do estudo. Os... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n33p55
55
ISSN 2175-8069, UFSC, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 55-87,
set./dez. 2017
Níveis de utilização e importância atribuídos aos indicadores não
financeiros por empresas da região sul de Santa Catarina
Level of utilization and importance attributed to the non-financial indicators by companies
of the south region of Santa Catarina
Niveles de utilización e importancia atribuidos a los indicadores no financieros por
compañías de la región sur de Santa Catarina
Rodney Wernke
Doutor em Engenharia de Produção (UFSC)
Professor no Curso de Administração da UNISUL e no PPPGCC da UNOCHAPE
Av. José A. Moreira, 787 Bairro Dehon
CEP 88.704-900 Tubarão/SC Brasil
E-mail: rodney.wernke@unisul.br
Telefone: (48) 99966-1472
Ivone Junges
Doutora em Engenharia de Produção (UFSC)
Professora no Curso de Administração da UNISUL
Av. José A. Moreira, 787 Bairro Dehon
CEP 88.704-900 Tubarão/SC Brasil
E-mail: ivone.junges@unisul.br
Telefone: (48) 3621-3000
Artigo recebido em 16/06/2016. Revisado por pares em 30/07/2017. Reformulado em
30/09/2017. Recomendado para publicação em 14/12/2017 por Carlos Eduardo Facin Lavarda
(Editor-Chefe). Publicado em 31/12/2017.
Rodney Wernke e Ivone Junges
ISSN 2175-8069, UFSC, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 55-87, set./d ez. 2017
56
Resumo
O artigo pretendeu responder questão ligada ao nível de uso e de relevância atribuída aos
indicadores não financeiros e às informações oriundas destes. Foi empregada metodologia
descritiva, com abordagem quantitativa e coleta de dados por intermédio de survey. Após
revisão da literatura sobre o tema, foram apresentadas as principais características das 207
empresas participantes do estudo. Os dados coletados foram evidenciados e comentados
segregando as respostas em dois grupos (indústrias e comércio/serviços). Quanto à utilização
de indicadores não financeiros, com base no teste estatístico aplicado concluiu-se que há
divergência nos níveis de uso desses indicadores se comparadas as empresas fabris e as não
fabris. Em relação à importância atribuída constatou-se que não há diferença estatisticamente
relevante entre os dois conjuntos de empresas. Por outro lado, percebeu-se que as empresas de
menor porte tendem a utilizar menos e a dar menor importância aos indicadores não financeiros
do que as firmas de maior porte.
Palavras-chave: Indicadores não financeiros; Utilização e importância; Survey
Abstract
The paper aimed to answer question linked to the level of utilization and relevance attributed
to the non-financial indicators and to the arising information of this. For this purpose it was
employed descriptive methodology, with quantitative approach and data collected by survey.
After the lecture review about the theme, were presented the main characteristics of the 207
companies participating of the study. The collected data were evidenced and commented
segregating the answers in two groups (industries and commerce/services). Regarding the use
of non-financial indicators, based on the statistical test applied, it was concluded that there is
a divergence in the levels of use of these indicators when compared to manufacturing and non-
manufacturing companies. Regarding the importance attributed, it was fou nd that there is no
statistically relevant difference between the two sets of companies. On the other hand, it was
noticed that smaller companies tend to use less and give less importance to non-financial
indicators than larger firms.
Keywords: Non-financial indicators; Utilization and importance; Survey
Resumen
Este artículo tiene como objetivo proporcionar soluciones Problema relacionadas con el nivel
de uso y relevancia atribuida a los indicadores no financieros y la información de éstos. Se
utilizó el método descriptivo, con enfoque cuantitativo y recopilación de datos a través de la
encuesta. Después de revisar la literatura sobre el tema, se presentaron las principales
características de las 207 empresas participantes del estudio. Los datos recogidos fueron
resaltados y comentados segregando las respuestas en dos grupos (industrias y
comercio/servicios). En cuanto a la utilización de indicadores no financieros, sobre la base del
test estadístico aplicado, se concluyó que hay divergencia en los niveles de uso de esos
indicadores si se compara a las empresas fabriles y las no fabril. En cuanto a la importancia
atribuida, se constató que no hay diferencia estadísticamente relevante entre los dos conjuntos
de empresas. Por otro lado, se ha percibido que las empresas de menor porte tienden a utilizar
menos y dar menor importancia a los indicadores no financieros que las firmas de mayor porte.
Palabras clave: Indicadores no financieros; Uso e importância; Encuesta
1 Introdução
A avaliação do desempenho empresarial é imprescindível para muitas decisões
organizacionais e influencia o comportamento dos gestores (SCHIELL; LANDRY, 2014).
Além disso, avaliar periodicamente a empresa permite que se conheça e compare os
Níveis de utilização e importância atribuídos aos indicadores não financeiros por empresas
da região sul de Santa Catarina
57
ISSN 2175-8069, UFSC, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 55-87, set./d ez. 2017
desempenhos do passado e do presente, bem como se estabeleça uma tendência para a
performance futura da companhia. Nessa direção, várias pesquisas científicas destacaram a
importância de avaliar o desempenho das organizações por intermédio de medidas financeiras
(BANKER; MASHRUWALA, 2007; CORONA, 2009; LUFT, 2009; MARTIN; PETTY,
2000) e não financeiras (BEUREN; SALLA, 2014; MACHADO, 2013; BUTLER;
HENDERSON; RAINBORN, 2011; CARDINAELS; VEEN-DIRKS, 2010; ALBRIGHT et al.,
2010; GEER; TUIJL; RUTTE, 2009).
Essa relevância é corroborada por Callado, Callado e Almeida (2008) quando afirmam
que a crescente necessidade de uma maior eficiência nos processos produtivos, ocasionada
principalmente pelo aumento da competitividade global, evidencia a importância de um sistema
de controle que forneça informações essenciais para o entendimento e o aperfeiçoamento das
atividades operacionais das empresas. Destarte, informações financeiras (como lucratividade
líquida, retorno do capital investido, grau de endividamento etc.) e informações não financeiras
(como produtividade, investimentos em P&D, nível de satisfação dos clientes, participação
mercadológica etc.) são indispensáveis para que os gestores fundamentem escorreitamente suas
análises. No mesmo sentido, Beuren e Teixeira (2014) citam que a mensuração do desempenho
tem evoluído de medidas financeiras e não financeiras, predominantes na década de 1990, para
estruturas mais complexas, baseadas no conjunto equilibrado de medidas que buscam alinhar
essas métricas à estratégia da organização.
Por outro lado, alguns estudos constataram que há uma menor ênfase na utilização de
indicadores não financeiros na comparação com o uso de métricas financeiras (FROST, 1999;
MIRANDA et al., 2003; LUITZ; REBELATO, 2003 e MACEDO; CORRAR, 2010). Esse
contexto pode prejudicar o desenvolvimento das empresas porque os indicadores não
financeiros podem ser considerados estratégicos para a gestão dos negócios e para a formação
de vantagens competitivas. Por isso, muitas vezes são tão importantes quanto os indicadores
financeiros, de vez que não são apenas os aspectos financeiros que respondem pelo desempenho
do empreendimento (BORTOLUZZI; ENSSLIN; ENSSLIN, 2011; SKRINJAR; BOSILJ
VUKSIC; INDIHARSTEMBERGER, 2008).
Essa menor utilização de indicadores não financeiros provavelmente também se faz
presente no contexto de muitas empresas sediadas na microrregião da Amurel (Associação dos
Municípios da Região de Laguna), sul de Santa Catarina, independente do porte, segmento de
atuação ou tempo de existência. Contudo, a frequência de uso e o grau de importância atribuído
a essas medidas pode estar vinculada às políticas adotadas pelos administradores e vincula-se a
aspectos como os benefícios informativos que podem propiciar, a facilidade de obtenção junto
aos controles utilizados pelos gestores, entre outros fatores (inclusive de ordem subjetiva).
Nesse ponto emerge a questão de pesquisa que se pretende responder: quais os níveis
de frequência de uso e de importância atribuída aos indicadores não financeiros e respectivas
informações pelos gestores de empresas sediadas na microrregião da Amurel? A resposta para
essa indagação pode contribuir para confirmar ou refutar as duas hipóteses que nortearam sua
elaboração, ou seja: (i) o grau de utilização dos índices não financeiros é idêntico nas empresas
fabris e não-fabris e (ii) há semelhança nos níveis da importância atribuída às informações
oriundas desses parâmetros não monetários nas empresas industriais e nas de
comércio/serviços. Então, para dirimir as dúvidas suscitadas a pesquisa teve como objetivo
identificar o nível de utilização desses tipos de indicadores gerenciais, bem como o grau de
importância respectivo atribuído pelos administradores das empresas situadas na região
geográfica em lume.
É válido destacar que estudos como esse se justificam porque artigos com foco
específico nessa abordagem são escassos, especialmente abrangendo a área territorial composta

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO