O império do Capital

Autor:Fabiano Garcia
Cargo:Mestrando do Programa de Pós-Graduação em História, com concentração em História Cultural, pela Universidade Federal de Santa Catarina
Páginas:375-381
 
TRECHO GRÁTIS
http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n1p375
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não
Adaptada.
RESENHA REVIEW RESEÑA
O IMPÉRIO DO CAPITAL
EMPIRE OF CAPITAL
EL IMPERIO DEL CAPITAL
WOOD, Ellen M. O império do Capital. Trad. Paulo Cesar Castanheira. São Paulo:
Boitempo, 2014, 151 p.
Algumas décadas atrás houve quem defendesse com convicção a tese de
que era pouco provável a solidificação e a reconfiguração de novas abordagens que
pudessem desenvolver análises macrossociais, sistêmicas e globais num mundo
que se apresentava cada vez mais líquido e complexo. Em alguns casos, não raro,
trataram inclusive com desdém e muito ceticismo àqueles ou àquelas que buscaram
novas explicações a partir de noções como totalidade, sistema, estrutura, processo,
já que frequentemente associadas, entre outras coisas, à vala comum das “grandes
narrativas”. Ao que tudo indica isso transcorreu principalmente a partir de 1970 e
fundamentalmente após 1989, num contexto em que algumas correntes teóricas se
firmavam em departamentos de importantes instituições universitárias e em parte
considerável do mundo acadêmico “ocidental”. Essa consolidação também estava
ligada, por outro lado, aos reveses de outros grupos e posicionamentos políticos que
aos poucos perdiam a sua legitimidade e eram qualificados como antiquados ou
parte de um mundo que agora era irreconhecível (Cf. REIS, 2012; CARDOSO,1996).
Contrapondo-se a esse clima intelectual, o trabalho da historiadora norte-
americana Ellen Meiksins Wood
1
, publicado originalmente em 2003 pela editora
1
Ellen M. Wood, professora e historiadora marxista, nasceu em Nova York em 1942. Estudou Ciência
Política na Universidade da Califórnia e foi professora da Universidade de York, no Canadá, além de
ter extensa participação em revistas marxistas, com destaque para New Left Review, na qual fez
parte do comitê editorial entre 1984 e 1993. Dentre sua extensa obra, destacam-se The retreat from
class: a new “true” socialism (1986); Democracy against capitalism: renewing historical materialism
(1995) (Trad. port.: Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. S Paulo,

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO