Fontes consultadas e referências

Autor:Antonio Araújo
Páginas:183-218
 
TRECHO GRÁTIS

Page 183

ABRAMCZUK, A. A. O mito da ciência moderna. Proposta de análise da física como base de ideologia totalitária. São Paulo: Cortez, 1981.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985 [1991].

AGLIETTA, M.; ORLÉAN, A. A violência da moeda. São Paulo: Brasiliense, 1990.

AGOSTINHO. Confessions. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1989.

AGOSTINHO. O livre-arbítrio. São Paulo: Paulus, 1997.

AIRES DA FONSECA, João. As estatuetas líticas do Baixo Amazonas. In:

PEREIRA, Edithe; GUAPIDAIA, Vera Lúcia Calandrini (Orgs.). “Arqueologia amazônica”. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, SECULT, IPHAN, 2010. v. 1, p. 235-237.

ALBERDI, J. B. Bases y puntos de partida para la organización política de la República Argentina. Buenos Aires: La Cultura Argentina, 1915. ALEXY, R. Constitucionalismo Discursivo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

ALEXY, R. Teoría de los Derechos Fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1993.

ALTVATER, E. O preço da riqueza. São Paulo: UNESP, 1995. AMBROSETTI, Juan Bautista. Os índios Kaingang de San Pedro (Misiones). 1ª. Edição. Campinas: Curt Nimuendajú, 2006.

AMELUNG, Knut. Rechtsguterschutz und Schutz der Gesellschaft. Frankfurt: Atheaum, 1972.

ANDERSON, P. O fim da História. De Hegel a Fukyama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1992.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Saraiva, 2012.

Page 184

ANTÓN MELLÓN, J. Ordenamiento jurídico burgués y cuestión social.

In: “Historia ideológica del control social”. Barcelona: Promociones y publicaciones Universitarias, 1989.

ARAÚJO, A. Da experiência à interrogação. Revista Pré-Textos para Discussão, Universidade Salvador (UNIFACS), v. 5, n. 9, 2000. ARAÚJO, A. Direito da propriedade industrial e o método PIPa: bioética da inovação, patentes universitárias, improbidade, PPPs e venture capital. São Paulo: Annablume; Salvador: PPGIm-ICS/UFBA, 2009.

ARAÚJO, A. Direito penal do pós bem jurídico. São Paulo: Leud, 2014. ARAÚJO, A. Embriotanásia. 2004. Marca nominativa, depósito (INPI): 10/12/2004; classe prod./serv.: NCL(8) 42; RPI: 18/01/2005. ARAÚJO, A. Fundamentos de Antropologia Bioética. São Paulo: Anna-blume, 2004.

ARENDT, H. Desobediência Civil. In: “Crises da República”. São Paulo: Perspectiva, 1999.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo. São Paulo: Cia. Das Letras, 1989.

ARENDT, H. O que é política? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. ARGAN, G. C. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. ARGENTINA. Constitución de la Nación Argentina (1994). Congreso

Constituyente de la Nación Argentina. Buenos Aires: Corte Suprema de Justicia de la Nación, Biblioteca del Congreso de la Nación, Biblioteca Nacional, 2010.

ARHEM, Kaj; CAYÓN, Luís; ÂNGULO, Gladis; GARCÍA, Maximiliano.

Etnografia Makuna: tradiciones, relatos y saberes de la gente de água. Götheborg: Acta Universitatis Gotheburgensis; Bogotá: Instituto Colombiano de Antropologia y História, 2004. ARISTÓFANES. As nuvens. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995. ARISTÓTELES. A Constituição de Atenas. São Paulo: Hucitec, 1995. ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Brasília: UnB, 2001. ARISTÓTELES. Metafísica. Porto Alegre: Globo, 1969. ARISTÓTELES. Política. Brasília: UnB, 1992.

ARNIM, H. Die drei aristotelischen Ethiken. Vienne und Leipzig: Hölder, 1924.

Page 185

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo, Mar-tins, 2008.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística (Publicação Técnica nº 51). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ARTOLA, M. La Burguesía Revolucionaria (1808-1874). Madrid: Alianza Editorial, 1973.

AUGUST, Bille. Trem noturno para Lisboa (película). Baseada no romance “Night train to Lisbon”, de Peter Bieri. Alemanha-Portugal-Suíça: Studio Hamburg, Cinemate..., 2013.

AVICENA. Cuestiones divinas (ilahiyyat). Madrid: Biblioteca Nueva, 2006.

AZEVÊDO, E. Debate sobre bioética deve abranger efeito da miséria. Jornal Folha de São Paulo, 16 out. 1994.

BACHOF, O. Normas Constitucionais Inconstitucionais? Coimbra: Almedina, 1994.

BACON, F. Obras. In: SPEDDING, J. et al. (orgs.). New York: Garret Press, 1968.

BAIER, A. The Need for more than justice. Can. J. Phil., 1987 (13), suppl.: 41-56.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e estética. São Paulo: Unesp/Hucitec, 1988.

BALZAC, Honoré de. A Mulher de Trinta Anos. São Paulo: L&PM POCKET, 1998.

BARATA, Frederico. Uma análise estilística da cerâmica de Santarém.

Cultura, São Paulo, v. 5, p. 185-205, 1953.

BARATTA, Alessandro. Itegración-prevención: una “nueva” fundamentación de la pena dentro de la teoria sistémica. In: “Cuadernos de política criminal”, n. 24. Madrid: Edersa, 1984.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do Direito Penal.

Trad. Juarez Cirino dos Santos. Rio de Janeiro: Freitas Bastos Editora, 1999.

BARATTA, Alessandro. Criminología y sistema penal. Montevideo-Buenos Aires: Julio César Faria, 2004.

Page 186

BARCELOS NETO, Aristóteles. Apapaatai: rituais de máscaras no Alto xingu. São Paulo: EDUSP, 2008.

BARRETO, Cristiana Nunes Galvão. Meios místicos de reprodução social: arte e estilo na cerâmica funerária da Amazônia Antiga. 2008. Tese (Doutorado em Arqueologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2011. BARROS, S. T. O princípio da proporcionalidade e o controle de constitucionalidade das leis restritivas de direitos fundamentais. Brasília: Brasília Jurídica, 2003.

BARROSO, L. R. Interpretação e aplicação da Constituição. São Paulo:

Saraiva, 1998.

BARROW, J. D. Teorias de tudo: a busca da explicação final. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

BATISTA, Nilo. Introdução Crítica ao Direito Penal Brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

BAUDRILLARD, J. A Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Elfos, 1995. BAUMAN, Z. Ética pós-moderna. São Paulo: Paulus, 1997. BAZARIAN, J. O problema da verdade. Teoria do conhecimento. São Paulo: Alfa-Ômega, 1985.

BECK, U. Risk society: towards a new modernity. Londres: Sage, 1992. BELLAMY, R. Liberalismo e sociedade moderna. São Paulo: UNESP, 1994.

BELLINO, F. Fundamentos da bioética: aspectos antropológicos, ontológicos e morais. Bauru, SP: EDUSC, 1997.

BENEDETTI, Mario. El amor, las mujeres y la vida. Madrid: Visor Libros, 1995.

BENNASSAR, B. Historia de los españoles. 2 vols. Barcelona: Editorial Crítica, 1989.

BENTHAM, J. Uma introdução aos princípios da moral e da legislação (col. Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1979. BENTHAM, Jeremy. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. BERDUGO DE LA TORRE, Ignacio; ARROYO ZAPATERO, Luis;

GARCÍA RIVAS, Nicolás; FERRE OLIVE, Juan Carlos; SERRA-

Page 187

NO PIEDECASAS, José Ramón. Lecciones de derecho penal. Parte general. Barcelona: Praxis, 1999.

BERGALLI, Roberto. Sistema peal e intervenciones sociales. Barcelona: Ed. Hacer, 1993.

BERGSON, H. Duração e Simultaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BERGSON, H. L’évolution créatrice. Paris: Les Presses Universitaires de France (Collection Bibliothèque de Philosophie Contemporaine), 1959.

BERNARD, J. A bioética. São Paulo: Ática, 1998.

BERNSTEIN, Bruce; MCMULLEN, Ann; MATOS, Ramiro (Quechua);

SOLIS, Felipé. Born of Clay: ceramics from the National Museum of the American Indian. Washington, DC: National Museum of the American Indian, 2005.

BIDART CAMPOS, G. Derecho constitucional (t. 1). Buenos Aires: Ediar, 1968.

BIDART CAMPOS, G. Tratado de Derecho Constitucional Argentino. La Reforma Constitucional de 1994. Tomo VI. Buenos Aires: Ediar, 1995.

BIRD-DAVID, Nurit. “Animism” revisited: personhood, environment, and relational epistemology. Current Anthropology, v. 40, n. S1, p. 67-91, 1999.

BIRNBAUM, J. M. Uber das Erfordernis einer Rechtsverletzung zum Begriff des Verbrechens. In: “Archiv des Krimialrechts”. Neue Folge, 1834. BITTENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal. São Paulo: Saraiva, 2007.

BITTENCOURT, Cezar Roberto. Falência da Pena de Prisão. Causas e alternativas. São Paulo: Saraiva, 2001.

BLACK, Edwin. A guerra contra os fracos. A eugenia e a campanha norte -americana para criar uma raça superior. São Paulo: Girafa, 2003. BLACKBURN, Simon. Dicionário de Filosofia. 1ª. Edição. Lisboa: Gradiva, 1997.

BLONDEL, M. Exigences philosophiques du christianisme. Paris: Presses Universitaires de France, 1950.

Page 188

BLUMENBERG, H. The Legitimacy of the Modern Age. Cambridge, MA:

MIT Press, 1983.

BOAL, A. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BOAL, A. Teatro legislativo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996. BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: lições de Filosofia do Direito. São Paulo: Ícone, 2007.

BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Brasília: UnB, 1994. BOECHAT, Walter. A mitopoese da psique: mito e individuação. 1ª. Edição. Petrópolis: Vozes, 2008.

BOELSCHER, Marianne. The curtain within. Haida social and mythical discourse. Vancouver: University of British Columbia Press, 1989. BOMBASSARO, L. C. As fronteiras da epistemologia: como se produz conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1992.

BONITZ, H. Index aristotelicus. Berlin: Akademische Druck und Verlag-sanstalt, Graz, 1955.

BORNHEIM, G. (et al.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BÓRON, A. A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal. In: SADER, E. (org.) et al. “As Políticas Sociais e o Estado Democrático”. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

BOROS, L. Mysterium mortis: der Mensch in der letzten Entscheidung. Olten, Freiburg im Breisgau: Walter-Verlag, 1973.

BOURDIEU, P. A economia das trocas lingüísticas. São Paulo: Edusp, 1996. BOURDIEU, P. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BRASIL. Ato Institucional nº 5 (1968). Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Legislação/Atos Institucionais à Constituição Federal de 1967, Brasília, 2009. Disponível em...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO