Expectation gap: análise da percepção social quanto às responsabilidades do auditor independente

Autor:Dyliane Mourí Silva de Souza - Rossana Guerra de Sousa - Marilia Augusta Raulino Jácome
Cargo:Mestre em Ciências Contábeis (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil - Doutora em Ciências Contábeis (UnB/UFPB/UFRN) - Doutoranda em Ciências Contábeis (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil
Páginas:66-81
RESUMO

A pesquisa analisou a percepção da sociedade brasileira quanto às responsabilidades do auditor independente frente ao que está prescrito pelas normas reguladoras da profissão. A amostra foi formada por 370 participantes e a percepção social, mensurada pela escala Likert. As assertivas foram embasadas nas normas de responsabilidades dos auditores e alocadas nos construtos: fraude; não conformidade;... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
66
Artigo
Original
Artigo
Original
Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 17, n. 45, p. 66-81, out./dez., 2020.
Universidade Federal de Santa Catarina. ISSN 2175-8069. DOI : https://doi.org/10.5007/2175-8069.2020v17n45p66
Expectation gap
: análise da percepção social quanto às
responsabilidades do auditor independente
Expectation gap: analysis of social perception of the responsibilities of the independent auditor
Brecha de expectativas: análisis de la percepción social en cuanto a las responsabilidades del auditor
independiente
Dyliane Mourí Silva de Souza
Mestre em Ciências Contábeis (UFPB),
João Pessoa/PB, Brasil
dylianesouza@gmail.com
https://orcid.org/0000-0002-7150-3823
Rossana Guerra de Sousa
Doutora em Ciências Contábeis (UnB/UFPB/UFRN)
Professora do Departamento de Finanças e Contabilidade (UFPB),
João Pessoa/PB, Brasil
rossanagsousa@yahoo.com.br
https://orcid.org/0000-0002-1674-2610
Marília Augusta Raulino Jácome*
Doutoranda em Ciências Contábeis (UFPB), João Pessoa/PB, Brasil
raulino.marilia@gmail.com
https://orcid.org/0000-0001-9913-548X
Endereço do contato principal para correspondência*
Cidade Universitária, Campus I, Bairro: Castelo Branco, CEP: 58.051-900 – João Pessoa/PB, Brasil
Resumo
A pesquisa analisou a percepção da sociedade brasileira quanto às responsabilidades do auditor
independente frente ao que está prescrito pelas normas reguladoras da profissão. A amostra foi formada por
370 participantes e a percepção social, mensurada pela escala Likert. As assertivas foram embasadas nas
normas de responsabilidades dos auditores e alocadas nos construtos: fraude; não conformidade;
comunicação e controle interno, depurados pela análise fatorial. O teste de Qui-Quadrado verificou a
associação com as expectativas mais realistas e o teste Kruskal-Wallis identificou a significância das
diferenças de médias dos grupos. Acerca da percepção social, o maior nível de conhecimento de auditoria e
contabilidade, estão associadas as expectativas mais realistas quanto às responsabilidades do auditor. Os
resultados ainda suscitam a necessidade de a sociedade conhecer as reais responsabilidades do auditor,
contribuindo para redução do litígio entre esta e a auditoria, reforçando a importância da comunicação entre
estes e os órgãos reguladores da auditoria.
Palavras-chave: Audit Expectation Gap; Auditoria; Diferenças de expectativas; Normas; Percepção
Abstract
The research analyzed the perception of Brazilian society regarding the responsibilities of the independent
auditor in relation to what is prescribed by the regulatory rules of the profession. The sample was formed by
370 participants and the social perception, measured by the Likert scale. The assertions were based on the
rules of auditors' responsibilities and allocated to the constructs: fraud; non-compliance; communication and
internal control, purified by factor analysis. The Chi-Square test verified the association with the most realistic
expectations and the Kruskal-Wallis test identified the significance of the differences in means of the groups.
Regarding social perception, the highest level of knowledge of auditing and accounting, are associated with
more realistic expectations regarding the auditor's responsibilities. The results still raise the need for society
to know the real responsibilities of the auditor, contributing to reducing the dispute between the auditor and
the audit, reinforcing the importance of communication between them and the regulatory bodies of the audit.
Keywords: Audit Expectation Gap; Audit; Differences of expectations; Norms; Perception
Dyliane Mourí Silva de Souza, Rossana Guerra de Sousa, Marilia A ugusta Raulino Jácome
67
Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 17, n. 45, p. 66-81, out./dez., 2020.
Universidade Federal de Santa Catarina. ISSN 2175-8069. DOI : https://doi.org/10.5007/2175-8069.2020v17n45p66
Resumen
La investigación analizó la percepción de la sociedad brasileña con respecto a las responsabilidades del
auditor independiente en relación con lo prescrito por las normas reguladoras de la profesión. La muestra
estuvo formada por 370 participantes y la percepción social, medida por la escala Likert. Las afirmaciones se
basaron en las reglas de las responsabilidades de los auditores y se asignaron a los constructos: fraude;
incumplimiento; comunicación y control interno, purificado por análisis factorial. La prueba de Chi-Square
verificó la asociación con las expectativas más realistas y la prueba de Kruskal-Wallis identificó la importancia
de las diferencias en las medias de los grupos. Con respecto a la percepción social, el nivel más alto de
conocimiento de auditoría y contabilidad está asociado con expectativas más realistas con respecto a las
responsabilidades del auditor. Los resultados aún plantean la necesidad de que la sociedad conozca las
responsabilidades reales del auditor, contribuyendo a reducir la disputa entre el auditor y la auditoría,
reforzando la importancia de la comunicación entre ellos y los organismos reguladores de la auditoría.
Palabras clave: Brecha de expectativas de auditoria; Auditoría; Diferencias en las expectativas; Estándares;
Percepción
1 Introdução
Em dezembro de 2016, a empresa de auditoria Deloitte Touche Tohmatsu Limited recebeu uma
punição (multa) oriunda de órgãos reguladores americanos, uma vez que, houve a descoberta de que em
2010, ao prestar um serviço de auditoria à empresa Gol Linhas Aéreas Inteligentes, a big four havia adulterado
relatórios de auditoria e alterado documentos referentes à entidade, comprometendo uma das características
qualitativas fundamentais da informação contábil-financeira, que é a fidedignidade das informações (CPC 00,
2011; SCANNELL, 2016).
Casos como o da Gol Linhas Aéreas Inteligentes, onde há incidência de fraudes, mesmo quando as
demonstrações foram objeto de exame de um auditor independente, levam os usuários das informações
contábeis a indagar qual o papel do auditor independente, suas responsabilidades e sua credibilidade, uma
vez que grande parte desses usuários tendem a atribuir ao auditor responsabilidades além daquelas
estabelecidas nas normas contábeis aplicadas aos trabalhos de auditoria, formando assim, expectativas
irrealistas quanto à atuação desse profissional (ALMEIDA, 2004; ALBUQUERQUE; DIAS FILHO; BRUNI,
2010).
Essas expectativas advindas da sociedade acerca das responsabilidades do auditor variam desde a
percepção de que o auditor independente deveria trazer aos usuários das informações contábeis se eles
devem ou não investir em determinada empresa, até a crença de que o mesmo deveria engajar-se
predominantemente na detecção e denúncia de atos ilícitos e fraudes por parte da companhia
(ALBUQUERQUE et al., 2010; SALEHI, 2016).
Para Asare, Williams, Adafula e Onumah (2016), a auditoria estabelece os limites nos quais ela presta
o seu serviço, entretanto, os usuários tendem a formar expectativas com base nas suas necessidades de
informação. Parasuraman, Zeithaml e Berry (1988) afirmam que essas expectativas são tidas como previsões
do retorno que determinado serviço trará (should expectation). Quando o serviço traz um retorno diferente da
percepção dos usuários acerca do resultado do mesmo, isso caracteriza uma exp ectation gap, que pode ser
entendida como a diferença entre o que o público espera que seja de responsabilidade do auditor e o que o
auditor percebe que é de sua responsabilidade (WOLF; TACKETT; CLAYPOOL, 1999).
Buscando identificar a existência e a natureza das diferenças de expectativas na Austrália, Monroe e
Woodliff (1993) compararam as expectativas de estudantes de auditoria e estudantes de marketing quanto às
responsabilidades do auditor independente. Foi constatado, no começo do período letivo, que ambos os
grupos apresentavam expectativas irrealistas. No final desse mesmo período, as expectativas dos estudantes
de auditoria estavam bem mais realistas, atribuindo menor nível de responsabilidade aos auditores, enquanto
que as expectativas dos alunos de marketing foram pouco alteradas. Dessa maneira, pode-se afirmar que as
expectativas excessivas acerca do trabalho do auditor independente se dão devido à falta de conhecimento
das normas e de quais são as reais responsabilidades do auditor, de modo que um maior nível de
conhecimento acarreta em expectativas mais realistas por parte da população (SIDDIQUI; NASREEN;
CHOUDHURY-LEMA, 2009).
O cenário de evidência da lacuna entre o que as normas estabelecem que são de responsabilidade
do auditor e o que os usuários das informações contábeis acreditam que seja (expectation gap), oferece
oportunidade para se discorrer acerca da seguinte questão de pesquisa: qual a percepção da sociedade
brasileira quanto às responsabilidades do auditor independente frente ao que está prescrito pelas
normas reguladoras da profissão?
Para tanto, utilizou-se uma escala Likert, de modo a mensurar a percepção social. Foram
considerados como sociedade aqueles usuários das informações contábeis que possuem ligação com a
preparação e o uso dos relatórios financeiros, visando investigar qual a percepção da população brasileira
acerca da responsabilidade do auditor independente mediante ao que está prescrito pelas Normas Contábeis
para Trabalhos de Auditoria, tendo por foco a elucidação da responsabilidade do auditor independente.

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO