Estilo do Parecer Técnico

Autor:José Fiker
Ocupação do Autor:Doutor em Semiótica e Linguística Geral (com enfâse em Laudos Periciais) pela USP
Páginas:39-40
 
TRECHO GRÁTIS

Page 39

7.1 “A linguagem gongórica, isto é, rebuscada, está fora de moda e pode tornar o texto confuso, esquecendo o principal: os fatos e o Direito não são enfatizados. O final da leitura pode ser um verdadeiro alívio para o leitor. Ainda hoje são incontáveis os profissionais que se esforçam por escrever nessa linguagem ultrapassada e artificial, pensando ser a maneira adequada de um perito se expressar. Como não sabem escrever, pensam que podem suprir a deficiência escrevendo difícil” (MORENO & MAR-TINS. Português para Convencer, p. 13, 2006).
7.2 “O assistente pode – sem nenhum esforço adicional – elaborar textos exagerados, longos e cansativos. Todos têm aces-so à tecnologia e a utilizam, o mais das vezes, apenas para fazer volume no processo; em consequência, a redação de tamanho adequado, bem elaborada, tornou-se um verdadeiro convite à leitura. A qualidade, mais uma vez, superou a quantidade” (MORENO & MARTINS. Português para Convencer, p. 69, 2006).

Em direito, quem escreve muito corre o risco de não ser lido.
7.3 “Rudolf Flesch, famoso técnico dos testes de legibilidade, originou uma série de estudos, cujos resultados ensejaram conclusões como expõem Moreno e Martins” (MORENO & MAR-TINS. Português para Convencer, p. 85, 2006).

  1. Os textos mais fáceis de ler têm uma quantidade maior de substantivos concretos, de verbos de ação e de frases curtas;

    Page 40

  2. Os textos mais difíceis têm uma maior proporção de substantivos abstratos, de verbos de ligação, de frases mais longas.

    Evidentemente um texto com melhor legibilidade será muito mais bem aceito pelo juiz.

    Entretanto, essas conclusões comportam diversas exceções, pois frases mais curtas são ideais para expressar ideias mais simples, ao passo que frases mais longas são mais adequadas para transmitir sutilezas de ideias mais elaboradas.
    7.3 “Muitos defendem o uso do “eu” em pareceres técnicos, o que aumenta o tom persuasivo do texto e facilita a sintaxe. Naquelas hipóteses em que a qualificação técnica, a função exercida no processo ou a autoridade...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO