O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências

Autor:Gabrielle Francinne S. C. Tanus - Carlos Alberto Ávila Araújo
Cargo:Universidade Federal de Minas Gerais
Páginas:83-102
RESUMO

O campo científico da Arquivologia apresentou, nos últimos anos, um significativo crescimento de cursos em todo o país. Assim, esta revisão de literatura tem como objetivo abordar a trajetória histórica do Ensino da Arquivologia, com ênfase no delineamento das influências e das fases de seu ensino, desde a implantação do primeiro curso até os dias atuais. Esta nova fase em que se encontra o... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS
83
Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 18, n. 37, p.
83-102, mai./ago., 2013. ISSN 1518-2924. DOI: 10.5007/1518-2924.2013v18n37p83
O ensino da arquivologia no Brasil: fases e influências
The teaching of archival science in Brazil: phases and
influences
Gabrielle Francinne de Souza Carvalho TANUS
1
Carlos Alberto Ávila ARAÚJO2
RESUMO
O campo científico da Arqui vologia apresentou, nos últimos anos, um significativo crescimento
de cursos em todo o país. Assim, esta revisão de literatura tem como objetivo abordar a
trajetória histórica do Ensino da Arquivologia, com ênfase no delin eamento das influências e das
fases de seu ensino, desde a implantação do primeiro curso até os dias atuais. Esta nova fase em
que se encontra o Ensino da Arquivologia, denominada fase ac adêmico-institucional, provém da
diversidade de locais (Departamentos/Escolas/Institutos) onde os Cursos de Arquivologia estão
abrigados e também pela proximidade a outros cursos de graduação, sobretudo de
Biblioteconomia e Museologia, e em Ciência da Informação. Acredita -se, portanto, que a
construção da história do ensino desse campo possibilita discussões mais fecundas tanto para o
seu campo epistemológico quanto para o campo curricular.
PALAVRAS-CHAVE: Arquivologia. Campo científico. Ensino. História.
ABSTRACT
The scientific field of Archival Science presented a significant increase of the courses in the
country in the last years. Thus, this literature review aims to rescue the historical trajectory of
the Archival Science education, with an emphasis on design influences and on the phas es of its
teaching, since th e implementation of the first course until nowadays. This new phas e of
Archival Science education, which is called academic-institutional phase, comes from th e
diversity of places (Departments / Schools / Institutes) where the Archival Science c ourses are
housed and also the proximity to other graduation programs, particularly on Li brary Science
1 Universidade Federal de Minas Gerais - gfrancinne@gmail.com
2 Universidade Federal de Minas Gerais - casalavila@yahoo.com.br
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons
ARTIGO
Recebido em:
08/12/2012
Aceito em:
08/04/2013
v. 18, n. 37, 2013.
p. 83-102
ISSN 1518-2924
84
and Museum Studies, and Information Science. It is believed, therefore, that the construction of
this education field history enables more fruitful discussions for both its epistemological field
and the curricular field.
KEYWORDS: Archival Science. Scientific field. Education. History.
1 INTRODUCÃO
A trajetória das práticas e do saber arquivístico no Brasil não é recente,
haja vista a criação do Arquivo Nacional, em 1838, denominado, naquela época,
de Arquivo Público do Império, conforme previsto na Constituição de 1824. No
tocante à origem do Arquivo Nacional, salienta-se que essa instituição está
atrelada a transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, que aportou,
em 1808, em sua colônia por conta das guerras napoleônicas. A chegada da
Família, parte da corte e de seus pertences: documentos, mapas, moedas,
estampas, manuscritos, livros, objetos de arte, entre outros, distribuídos em
vários navios, apressou o processo de constituição dos espaços nacionais, como
Arquivo, Biblioteca e Museu, os quais seriam responsáveis pela organização,
armazenamento e preservação dos documentos oficiais. Devido ao crescimento
desses acervos, das atividades e demandas geradas nestas instituições, fez-se
necessária a formação de profissionais habilitados para o trabalho, tais
necessidades constituíram um ponto comum entre elas.
No entanto, apesar deste importante marco para o campo da
Arquivologia a constituição do Arquivo o ensino regular para a formação do
profissional arquivista foi estabelecido apenas na segunda metade do século XX.
Considera-se, assim como Marques (2007), o Curso Permanente de Arquivos,
criado em 1960, o primeiro curso de Arquivologia no país, porque anterior a
essa data os profissionais do Arquivo Nacional e de outros arquivos contavam
com cursos de formações esporádicas, promovidos pela Pontifícia Universidade
Católica (PUC/RJ), pelo Instituto de Desenvolvimento e Organização Racional do
Trabalho (IDORT/SP), pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pelo Departamento
Administrativo do Serviço Público (DASP), este criado em 1938, com a
finalidade de equipar o Estado com racionalidade administrativa e modernizar a
burocracia, estabelecendo avaliação na capacidade do recrutamento do

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO