Os direitos sociais dos trabalhadores em âmbito internacional

Autor:Rúbia Zanotelli De Alvarenga
Ocupação do Autor:Professora Titular do Centro Universitário do Distrito Federal - UDF, Brasília
Páginas:13-66
 
ÍNDICE
TRECHO GRÁTIS

Page 13

Neste Capítulo, serão objeto de análise as principais fontes do direito internacional do trabalho ou os instrumentos internacionais que contribuíram para a proteção dos direitos sociais dos trabalhadores, em âmbito mundial, e, ao mesmo tempo, para o processo de amadurecimento e de consolidação do Direito Internacional do Trabalho.

O Direito Internacional do Trabalho não se ocupa apenas das regras ou das fontes específicas (sejam elas formais ou materiais) oriundas da Conferência Internacional do Trabalho, e sim de todos os diplomas internacionais que contêm disposições sociais que influenciaram, de algum modo, o fortalecimento do Direito Internacional do Trabalho, por promoverem a proteção e a promoção dos Direitos Humanos dos trabalhadores em escala internacional.

Também contribuíram para o fortalecimento do sistema de proteção dos direitos sociais dos trabalhadores, em nível internacional, os seguintes documentos ou diplomas: a) a Constituição da OIT de 1919; b) a Declaração Relativa aos Fins e Objetivos da OIT, aprovada na Conferência de Filadélfia de maio de 1944 e incorporada, como anexo, à Constituição da OIT na revisão geral empreendida na Conferência de Montreal de outubro de 1946; c) a Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Paris, em 10 de dezembro de 1948; d) A Declaração sobre Direitos e Princípios Fundamentais no Trabalho de 1998; entre outros.

Os princípios, deveres e objetivos da OIT estão previstos nos três principais diplomas internacionais do trabalho até hoje existentes, quais sejam: a Constituição de 1919, revisada em 1946; a Declaração de Filadélfia de 1944; e a Declaração sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho de 1988.

Cumpre ressaltar que, além da Constituição da OIT, da Declaração de Filadélfia (1944) e da Declaração sobre Princípios Fundamentais e Direitos no Trabalho (1988), também constituem como fontes do Direito Internacional do Trabalho as Convenções, Recomendações e Resoluções da OIT.

Eis o que se elucida nas páginas que se seguem do presente Capítulo.

Page 14

1. 1 A constituição mexicana de 1917

No escólio de Lauro César Mazetto Ferreira (2007, p. 38): “Um dos mais importantes documentos de reconhecimento dos direitos sociais como direitos fundamentais que devem ser protegidos para que as pessoas possam viver dignamente é a Constituição Mexicana de 1917”.

Nela, está previsto um dos mais importantes documentos de recognição dos direitos sociais como direitos humanos. Razão pela qual a Constituição Mexicana de 1917 é a primeira a positivar os direitos sociais dos trabalhadores como direitos fundamentais.

Fábio Konder Comparato (2003) considera que a Carta Política Mexicana de 1917 foi a primeira a atribuir aos direitos trabalhistas a qualidade de direitos fundamentais, juntamente com as liberdades individuais e os direitos políticos (arts. 5º e 123). A importância desse precedente histórico deve ser salientada, pois, na Europa, a consciência de que os direitos humanos têm também uma dimensão social só veio a se afirmar após a grande guerra de 1914-1918, que encerrou o longo século XIX de fato; e, nos Estados Unidos, a extensão dos direitos humanos ao campo socioeconômico ainda é largamente contestada.

Logo, assevera Comparato:

[...] a Constituição Mexicana, em reação ao sistema capitalista, foi a primeira a estabelecer a desmercantilização do trabalho, ou seja, a proibição de equipará-lo a uma mercadoria qualquer, sujeita à lei da oferta e da procura no mercado. Ela firmou o princípio da igualdade substancial de posição jurídica entre trabalhadores e empresários na relação contratual de trabalho, criou a responsabilidade dos empregadores por acidente do trabalho e lançou, de modo geral, as bases para a construção do moderno Estado Social de Direito. Deslegitimou, com isso, as práticas de exploração mercantil do trabalho, e, portanto, da pessoa humana, cuja justificativa se procurava fazer, abusivamente, sob a invocação da liberdade de contratar. (COMPARATO, 2003, p. 177).

Trata-se de um documento de cunho social ao reconhecer que a proteção dos direitos sociais — conquistados com muita luta durante os séculos XVIII e XIX — deveria ser ampliada em face das consequências danosas advindas da sociedade moderna pós-Revolução Industrial. Assim, cumpria aos Estados fornecerem condições dignas de sobrevivência aos seres humanos afetados pelas contingências sociais e econômicas da mesma.

A constitucionalização dos Direitos Humanos Sociais dos Trabalhadores foi inaugurada no México e contribuiu para a inclusão de uma melhor e mais incisiva proteção social em vários países da Europa.

Porquanto, reiterando tal assertiva, para José Afonso da Silva (1999, p. 288): “A ordem social [...] adquiriu dimensão jurídica a partir do momento em que as

Page 15

constituições passaram a discipliná-la sistematicamente, o que teve início com a Constituição Mexicana de 1917”.

Ferreira (2007, p. 38) destaca: “A Carta Política Mexicana de 1917 foi a primeira a atribuir aos direitos trabalhistas a qualidade de direitos fundamentais, juntamente com as liberdades individuais e os direitos políticos (arts. 5º e 123)”.

A Constituição Mexicana, em seu art. 123, estabeleceu diversas disposições legais acerca do reconhecimento dos direitos sociais como direitos humanos, entre os quais: responsabilização dos empresários por acidentes de trabalho; jornada de oito horas diárias; proibição do trabalho de menores de 12 anos e limitação a seis horas diárias da jornada de trabalho dos menores de 16 anos; jornada máxima noturna de sete horas; descanso semanal; proteção à maternidade; salário mínimo; igualdade salarial; adicional de horas extras; descanso para mulheres que tiverem filhos; estabelecimento de que o salário mínimo deverá ser suficiente para satisfazer as necessidades normais dos operários; proibição de penhora; compensação e desconto em relação ao salário mínimo; direito de greve; direito de sindicalização; seguro social e proteção contra acidentes do trabalho.

Importante salientar que a Constituição de Weimar de 1919 trilhou a mesma via da Carta Mexicana, e todas as Convenções aprovadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) — então recém-criada — na Conferência de Washington no mesmo ano, regularam matérias que já constavam da Constituição Mexicana, como, por exemplo: a limitação da jornada de trabalho, o combate ao desemprego, a proteção da maternidade, a idade mínima de admissão de empregos nas fábricas e o trabalho noturno dos menores na indústria.

A Constituição Mexicana foi a primeira a criar bases para a construção do Estado Social de Direito no mundo, haja vista que, com as terríveis experiências e lições advindas das duas grandes guerras — especialmente as violações, nas mais diversas formas, dos Direitos Humanos — procedeu-se à fase da celebração de tratados e de outros instrumentos internacionais alusivos à proteção internacional dos Direitos Humanos. Em 1919, entrou em vigor a Constituição de Weimar, que dedicou uma parte, exclusivamente, aos Direitos Humanos. No entanto, foi a Constituição do México de 1917 a primeira a elevar os direitos sociais a um nível constitucional.

1. 2 A constituição alemã de 1919

Segundo José Luiz Quadros de Magalhães (2000), a Constituição Alemã de 1919 — também conhecida como Constituição de Weimar — é a primeira Constituição social europeia, sendo considerada a matriz do novo constitucionalismo social. Instituiu a primeira república alemã e foi promulgada após um período crítico da história: a Primeira Guerra Mundial.

Ferreira (2007) enuncia que as ideias do sozialstaat na Alemanha de 1919 foram fundamentais para o desenvolvimento do reconhecimento dos direitos sociais para a preservação dos direitos humanos em todo o mundo e que o Estado deveria intervir para garantir um mínimo essencial aos seus habitantes com vistas a uma vida digna.

Page 16

Ainda, consoante detida análise realizada por Ferreira (2007, p. 40): “As ideias de Weimar refletiram, inclusive aqui no Brasil, na elaboração da Constituição Federal de 1934, que trouxe a semente do Estado de Bem-Estar Social, semelhante aos ideais de liberdade, justiça e bem-estar social e econômico”.

Comparato corrobora tal visão:

Instituidora da primeira república alemã, a Constituição de Weimar, cidade da Saxônia onde foi elaborada e votada, surgiu como um produto da grande guerra de 1914-1918, que encerrou o “longo século XIX”. Promulgada imediatamente após o colapso de uma civilização, ela ressentiu-se desde o início, em sua aplicação, dos tumultos e incertezas inerentes ao momento histórico em que foi concebida. (COMPARATO, 2003, p. 185).

Encerrada a grande Primeira Guerra Mundial, estava, na ordem do dia, a intervenção jurídica do Estado na economia, a fim de efetivar e de garantir direitos políticos, civis e sociais, para a promoção e para o desenvolvimento social.

Estatui Marco Aurélio Peri Guedes:

A República de Weimar inaugurou uma fase inédita de estruturação constitucional do Estado alemão, com papel mais ativo no desenvolvimento social, na constituição de uma sociedade, com justiça social pela efetivação dos direitos sociais formulados na Constituição de Weimar, de 11 de agosto de 1919 — o sozialstaat ou Estado Social de Direito. A ordem econômica e social criada pela nascente República alemã serviu de modelo para alguns Estados no período imediatamente posterior à Primeira Guerra Mundial. No Brasil, por...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO