Direito: premissas

Autor:Argos Campos Ribeiro Simões
Páginas:37-65
 
TRECHO GRÁTIS
17
CAPÍTULO 2
DIREITO: premissas
2.1 Ciência do Direito, Direito Positivo e Direito como sis-
tema normativo: u ma questão de níveis de ling uagem
O Direito é sistema cultural linguístico; logo, Direito é
linguagem. Direito Positivo seria o texto enunciado, manchas
de tinta sobre o papel, organizadas distintamente em veículos
normativos e estruturadas em capítulos, artigos, alíneas e in-
cisos. Direito como sistema normativo é fruto de construção
mental, estruturado por proposições mentais formalmente
dispostas: as normas jurídicas.
Temos como sistema o conjunto de elementos linguísticos
inter-relacionados mediante determinada e exclusiva forma,
emprestando-lhe peculiar identidade: sistema social; sistema
do direito tributário, do direito penal; sistema moral; sistema
religioso; sistema contábil etc.
A conjugação normativa da estrutura dos sistemas é res-
ponsável pela introdução, permanência e exclusão de seus
elementos. Assim, o conceito de sistema distancia-se do mero
aglomerado caótico e não estruturado de elementos. Estrutu-
ra inter-relacional dos seus elementos caracteriza o sistema.
Denominamos diferentemente os sistemas fazendo sua
identificação em face da estrutura racional e inter-relacional
dos elementos seus componentes, que serve, como leciona
18
ARGOS CAMPOS RIBEIRO SIMÕES
Paulo de Barros Carvalho, como “princípio unificador”31 e,
portanto, identificador do próprio sistema.
Em face do nível linguístico, destacamos, assim, duas sig-
nificações possíveis para o termo direito: como ciência (com
sua metalinguagem) e como sistema normativo (com sua lin-
guagem objeto).
A Ciência do Direito utiliza linguagem que “fala” descri-
tivamente sobre a linguagem objeto do Direito como sistema
normativo. Essa é sua característica como metalinguagem.
Assim, suas proposições são enunciados aléticos, descritivos,
que enunciam proposições verdadeiras ou falsas àqueles que
se aproximam sobre o Direito com o fim de enunciá-lo. É a
linguagem própria da causalidade científica que se formaliza
na estrutura “SE algo, ENTÃO É outro algo.” É a linguagem
da doutrina e da jurisprudência não vinculante.
A linguagem do Direito como sistema normativo é for-
malmente mista: declaratória em seu antecedente descritor
de eventos futuros possíveis, ou de fatos passados, e prescri-
tora de possibilidades gerais de relações jurídicas ou de indi-
viduais relações jurídicas estabelecidas.
Assim, estamos com Paulo de Barros Carvalho32 quando
nos ensina que os termos e as expressões admitem várias sig-
nificações, seja em face de frequentes ambiguidades ou va-
guezas significativas, seja levando-se em consideração o con-
texto normativo e social em que se apresentam.
Temos que a palavra direito não foge à regra. Destacamos
duas de suas possibilidades significativas: (i) como ciência e
(ii) como conjunto normativo. Como vimos, o Direito como
ciência possui marcas linguísticas descritivas, cujo objeto
enunciado seria o sistema linguístico prescritivo do chama-
do “direito como conjunto normativo”. Assim, o objeto do
31. CARVALHO, P. B., 2015, p. 214.
32.
CARVALHO, P. B. Curso de direito tributário. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. p. 38.

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO