Construindo uma ontologia das relacoes patriarcais de genero no Servico Social: NOGUEIRA, L. Relacoes Patriarcais de Genero e Servico Social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Lumem Juris. 2018.

Author:Ferreira, Luciana Azevedo Souza
 
FREE EXCERPT

Embora a categoria dos assistentes sociais seja formada eminentemente por mulheres, premissa ja apontada por Netto e Iamamoto em suas primeiras obras, que sao referencias classicas para apreensao dos fundamentos historicos, teoricos e metodologicos do Servico Social, a tematica que relaciona genero e capitalismo ganha importante contribuicao com a obra do assistente social, docente e pesquisador Leonardo Nogueira, intitulada "Relacoes Patriarcais de Genero e Servico Social no Brasil". Fruto de dissertacao, a obra apresenta um folego marcante diante do tempo exiguo determinado para uma pesquisa de mestrado contemporanea, sendo resultado tambem de investimento na trajetoria de um pesquisador forjado desde a graduacao a partir da praxis, mediante vinculacao com os movimentos sociais (1) e programa de iniciacao cientifica, o que denota o impacto real que se pode alcancar quando o Estado prioriza investimento em educacao.

A partir da questao a respeito de como a profissao explorou a tematica de genero, o autor propoe-se a estudar em quatro capitulos o patriarcado, racismo e capitalismo, bem como suas repercussoes no Servico Social e o faz com rigor, no qual discute a categoria genero, apreendendo-a em articulacao com a divisao social do trabalho, a fim de demarcar suas determinacoes particulares, no solo da sociedade capitalista. Ao lancar-se na interpretacao materialista ontologica de genero, o autor percorre de forma aprofundada as perspectivas de analise do feminismo marxista a partir de Saffioti e do feminismo materialista francofono, como veios condutores para a reflexao em torno da divisao sexual do trabalho e do patriarcado, apontando essa perspectiva de analise como possibilidade de articulacao da triade raca, genero e classe.

E busca articular tambem com a ideia de "[...] consubstancialidade das relacoes sociais de 'raca'/etnia e classe [...]", presente no Servico Social brasileiro, sobretudo no tratamento dado por Cisne (2013, 2014), num movimento de sistematizacao da producao de conhecimento da area no Servico Social, a fim de evidenciar principais tendencias e dilemas, contribuindo com o Grupo de Trabalho e Pesquisa responsavel pela tematica de genero, da Associacao Brasileira de Ensino e Pesquisa em Servico Social. Sobretudo, por entender que, sendo e a profissao dos assistentes sociais formada iminentemente por mulheres, carrega tracos de subalternidade expressos tambem nos estereotipos atribuidos. Profissao esta que se tornou uma...

To continue reading

REQUEST YOUR TRIAL