• Revista Katálysis

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2011-03-11
ISBN:
1982-0259

Descrição:

A Revista Katálysis destina-se à publicação de trabalhos sobre assuntos atuais e relevantes no âmbito do Serviço Social, áreas afins e suas relações interdisciplinares. Cada edição focaliza uma unidade temática, previamente definida pela Comissão Editorial, tendo em vista sua importância dentro do contexto social contemporâneo, mas abre espaço também para trabalhos que tratem de outros assuntos.

Documentos mais recentes

  • Serviço Social: formação, trabalho profissional e tendências teóricas contemporâneas

    Este número da Revista Katálysis que tem como eixo temático Serviço Social: formação, trabalho profissional e tendências teóricas contemporâneas nos chega em um contexto particularmente delicado da realidade brasileira, ou seja, a política da morte ou necropolítica do atual governo que determina explicitamente quem pode viver e quem deve morrer incide sobre as nossas existências e requerem resistências que devem ser construídas na luta cotidiana, seja no "chão de fábrica" seja nos espaços acadêmicos, por meio da produção de um conhecimento socialmente referenciado na emancipação e na libertação dos grilhões de todas/os que vivem da venda da força de trabalho. As transformações societárias produzidas nesta fase da acumulação capitalista impõe uma radicalidade pela garantia da vida com sentido, fruto da construção coletiva de outro mundo, no qual não haja mais explorados/as nem exploradores/as

  • Em tempos de desumanização: a emergência da crítica ontológica no complexo educacional

    Na atualidade a adaptação ao existente é uma realidade que se impõe, implicando, também, numa necessária compreensão do tempo presente e de uma crítica ontológica que nos permita não só compreender o papel da educação e do conhecimento, senão também costurar estratégias de formação e articulação em que a teoria recupere seu papel fundamental de orientação da prática. Contrariando o "espírito do tempo", entendemos que as implicações entre ontologia e conhecimento para o debate da educação apresentam, explícita ou implicitamente, a questão de porquê ontologia e porque uma crítica ontológica. Apresentamos nesse texto o movimento dialético da dimensão ontológica e gnosiológica a partir de uma concepção de ser humano que possa gerar as possibilidades de interditar a ideia de que o sistema capitalista "totalizante" não pode ser superado. Ao contrário, é necessário um tipo de conhecimento que considere a totalidade, como nos oferece a ontologia crítica

  • A produção do conhecimento e o projeto ético-político do serviço social

    Este ensaio teórico tem por objeto a produção do conhecimento em serviço social e ressalta a sua importância na atual conjuntura. Foi escrito a partir da análise de contribuições de autores dessa área que refletem sobre esta temática e de autores marxistas que analisam o método e a produção do conhecimento a partir do materialismo histórico dialético. Para tanto, elege duas premissas. A primeira refere-se à produção do conhecimento como uma das expressões da atividade humana que, no movimento da realidade, busca a apreensão de particularidades enquanto expressões do concreto pensado. A segunda refere-se à defesa da necessária vinculação das pesquisas na área de serviço social ao significado social dessa profissão que, na contemporaneidade, baliza-se numa direção sustentada em seu projeto ético-político vigente e radicalmente atual

  • Os paradoxos da razão nas tarefas de investigação e ensino universitário

    A partir de dados empíricos resultantes da investigação sobre a mudança no perfil dos estudantes universitários no Uruguai, o artigo propõe uma reflexão sobre o desafio de superação dos paradoxos da razão moderna em relação às tarefas de investigação e ensino universitário. O trabalho foi desenvolvido por meio de mensuração sistemática executada desde 2013, através de um questionário respondido por alunos de graduação em Serviço Social da Universidad de la República. Considera os apontamentos históricos sobre as contradições da razão, ilustrados a partir das abordagens da teoria crítica, recuperando o sentido emancipatório de um pensamento questionador dos modelos tecnocráticos e de reabilitação dos impulsos conservadores na educação universitária, em tempos dominados pela superficialidade das aprendizagens profissionais

  • Transformações societárias: repercussões no serviço social

    O presente artigo objetiva debater os impactos e os desafios postos ao Serviço Social em face das transformações societárias no capitalismo contemporâneo que têm se refletido em todos os aspectos da vida social. A análise deste trabalho fundamenta-se na pesquisa bibliográfica através de revisão de literatura das obras de Netto, Guerra, Iamamoto e Souza. A partir das análises, evidencia-se que a crise do capital gera transformações, as quais têm demandado alterações societárias de todas as ordens e dimensões da vida social, de que não se têm esquivado as profissões, sobremodo o Serviço Social. A profissão se insere no processo de precarização tanto na formação como no exercício profissional, através de vínculos flexíveis, instáveis e, muitas vezes, destituídos de direitos trabalhistas e previdenciários. Constatam-se os ataques às políticas sociais, com a mercantilização, a seletividade e a focalização destas, bem como a reposição de práticas e teorias conservadoras, que têm achado terreno fértil à sua disseminação

  • A relevância da pesquisa para o servic¸o social: conquistas e desafios permanentes das Diretrizes Curriculares

    Tendo como norte a importância da pesquisa e as suas contribuições para o serviço social, este artigo objetiva elencar alguns subsídios para o diálogo da pesquisa na formação do/a assistente social, no âmbito acadêmico, a partir do que preconizam as Diretrizes Gerais para o Curso de Serviço Social (1996). Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliográfica e documental, de cunho qualitativo, analisando as legislações que regulam a profissão em relação à pesquisa e demais produções científicas pertinentes, sob a perspectiva do materialismo histórico-dialético. Concluímos que, diante dos atuais desafios relacionados à expansão das correntes contra hegemônicas no serviço social e da expansão do Ensino à Distância, a profissão precisa voltar a colocar-se na agenda das suas próprias pesquisas, isto é, ser objeto das investigações realizadas pela comunidade de pesquisadores da área. Uma nova pesquisa sobre a implementação das Diretrizes Curriculares, por exemplo, poderia abrir possibilidades de um novo debate nacional

  • Serviço social e formação permanente: possibilidades de superação de cotidianos de alienação

    O presente artigo apresenta a importância da formação permanente para o serviço social como possibilidade de contribuição para o trabalho profissional numa perspectiva crítica e de afirmação de nosso projeto ético político. Para tanto, realiza uma discussão acerca da educação na sociedade de classes e o sentido da formação permanente em uma direção contra hegemônica aos interesses do capital, apresentando uma reflexão sobre seu papel numa perspectiva emancipatória. Retoma os princípios da Política de Educação Permanente do Conjunto CFESS/CRESS (2012), apontando os desafios e possibilidades presentes na efetivação desta política e na construção de espaços democráticos de formação após a graduação, ressaltando sua importância, aqui compreendida sob dois aspectos: a necessária suspensão da cotidianidade para o retorno a esta de maneira a contribuir criticamente com ações alinhadas ao projeto ético político profissional e, sua potência enquanto estratégia na manutenção da hegemonia de nosso projeto profissional e de formação

  • Serviço social e pesquisa científica: uma relação vital para a formação profissional

    A formação profissional em Serviço Social demanda a interação com inúmeros fatores da vida cotidiana, sendo a pesquisa científica um dos meios adotados para conhece-los. Partindo deste pressuposto, objetivamos problematizar o lugar da pesquisa científica em nossa formação profissional, bem como apontar alguns desafios inerentes a esta atividade teórico-prática evidenciando a sua importância no processo de ensino-aprendizagem. A discussão está estruturada em uma breve introdução; depois trataremos sobre o sentido da pesquisa científica; em seguida problematizaremos a importância desta na formação profissional em Serviço Social; por fim, apontaremos algumas reflexões sobre a temática em tela. Fundamentando-se em uma revisão de literatura, sob a luz da teoria social crítica, consideramos que a dimensão investigativa, em meio as contradições do sistema econômico e o culto aos estigmas sociais e culturais, é de ímpar relevância para uma profissão comprometida com a ruptura de análises discriminatórias e a construção de uma sociedade humanamente emancipada

  • Educação à distância e formação profissional do/da assistente social: elementos para o debate

    O artigo tem por objetivo analisar em que medida a formação em serviço social à distância se fundamenta ou se distancia dos princípios das diretrizes curriculares da ABEPSS de 1996. O ensino à distância (EaD) está previsto a política educacional de ensino superior no Brasil e se caracteriza pela mercantilização e por um discurso de democratização que escamoteia a precarização do ensino. Não temos por intenção fazer críticas ou julgamentos em relação aos trabalhadores ou estudantes desta modalidade. Verificamos que o ensino à distância tem se operacionalizado como ensino de massa e a padronização e a tecnologia como mediador principal submete os trabalhadores à alienação do trabalho. Esse é um determinante do processo formativo nessa modalidade.Outras características levantadas foram a superficialidade do material apostilado, que não contempla o rigor teórico - metodológico preconizado pelas diretrizes da ABEPSS e a inexistência do tripé ensino - pesquisa - extensão

  • Uma análise marxiana da política de cotas no ensino superior público brasileiro

    Construído a partir de revisão teórica e bibliográfica, este artigo objetiva discutir a política de cotas sociais e étnico-raciais nas instituições federais de ensino superior brasileiras a partir do materialismo histórico e dialético. Toma a universidade como arena onde a luta de classes também é travada e questiona: Em que medida a política de cotas sociais e étnico-raciais constitui processos de resistências frente à distribuição justa e ao igual direito burguês? Compreende-se que a política de cotas emerge e justifica-se no pressuposto de que o igual direito não contempla a população negra. Essa pseudoigualdade burguesa não considera o acesso historicamente negado dessa população aos bens e à riqueza socialmente produzida. Por isso, há de se ter outra forma de acesso, que se vincule a outro tipo de universalidade e que, assim, contemple uma universalidade a partir da diversidade e da desigualdade, pois, sob a ótica da igualdade, a desigualdade permanece

Documentos em destaque