Revista Gênero

Editora:
Universidade Federal Fluminense
Data de publicação:
2021-01-02

Documentos mais recentes

  • ANÁLISE SÓCIO-HISTÓRICA DE CONSTITUIÇÃO DA CIDADE DE BOGOTÁ/COLÔMBIA E O LUGAR DAS MULHERES EM SITUAÇÃO DE RUA

    Este artigo tem o objetivo primordial de revisar o processo sócio- histórico de constituição de Bogotá (Colômbia), não a partir de generalidades, mas de especificidades e descontinuidades de sua configuração, tentando revelar, neste percurso, a cidade da negação, da invisibilidade, da interdição, enfim, da população em situação de rua e, particularmente, das mulheres atingidas por este fenômeno. Apresentam-se considerações gerais da formação de Bogotá e seus efeitos na produção das relações sociais de raça, classe e gênero que demarcam o contexto histórico do fenômeno, em diálogo com o debate teórico da construção do espaço urbanizado na América Latina. Palavras-chave: Cidade; população em situação de rua; interseccionalidade.

  • TRABALHO, QUESTÃO SOCIAL E OPRESSÕES: CONTRIBUIÇÕES AO DEBATE SOBRE VIOLÊNCIA DE CLASSE, RAÇA E GÊNERO NO BRASIL

    Este artigo busca tratar sobre o conceito de questão social e suas refrações na forma de opressões, com ênfase na violência de classe, raça e gênero na particularidade brasileira. Para tanto, nos embasamos na depuração da categoria trabalho e no acúmulo teórico da ontologia do ser social, ou seja, apoiados na tradição marxiana, para analisarmos o funcionamento da sociabilidade burguesa, para, assim, apontarmos algumas chaves de análise que possam contribuir com o acúmulo teórico e político sobre a relação entre classe, racismo e heteropatriarcado, elementos funcionais e estruturantes do capitalismo. Palavras-chave: Trabalho; questão social; opressões.

  • CONSULTÓRIO LGBT: (RE)CONSTRUINDO NARRATIVAS DE COMBATE ÀS VIOLÊNCIAS LGBTFÓBICAS NA SAÚDE EM MACAÉ, RIO DE JANEIRO

    Este artigo é fruto de pesquisa realizada com o Consultório LGBT – projeto desenvolvido no Consultório na Rua, serviço público de saúde da cidade de Macaé, Rio de Janeiro. Objetivamos publicizar e visibilizar esta experiência, compreendendo-a como fundamental na narrativa de combate às violências LGBTfóbicas, com enfoque na transfobia em contextos latino-americanos. A pesquisa qualitativa com profissionais e usuários do projeto ilustra a dificuldade de incorporar os ganhos materializados na Política Nacional de Saúde Integral LGBT, em especial por desinformação, conservadorismo e preconceito dos profissionais, além dos poucos investimentos da gestão municipal. O projeto Consultório LGBT contrapõe a histórica violação de direitos e a violência institucional no Sistema Único de Saúde. Palavras-chave: LGBTfobia; saúde; conservadorismo.

  • TRAJETÓRIAS REPRODUTIVAS FEMININAS E PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE ORIENTADO ÀS GESTANTES NA CIDADE DE SÃO LEOPOLDO/RS: UM OLHAR INTERSECCIONAL

    Analisaram-se trajetórias reprodutivas de mulheres moradoras de bairro periférico de São Leopoldo (RS). Reflete-se sobre como dinâmicas de gênero, classe, raça e idade se interseccionam nessas trajetórias e na produção de cuidado. Foi uma pesquisa qualitativa sobre experiências de gestação de usuárias do pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família. Os resultados mostraram trajetórias reprodutivas diferentes entre as mulheres, sendo que as violências e negligências apareceram mais acentuadas sobre os corpos femininos negros. Referente ao cuidado, aspectos reguladores (re)produzem certos ideais de maternidade e engajamentos nas realidades das mulheres, com efeitos em sua busca por autonomia reprodutiva. Palavras-chave: Trajetórias reprodutivas; assistência pré-natal; interseccionalidade.

  • A CAPILARIZAÇÃO DO COMBATE À IDEOLOGIA DE GÊNERO: PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADES E MATABILIDADE

    Neste artigo, discute-se o uso político da categoria “ideologia de gênero” no cenário político brasileiro. As tentativas de compreensão desse fenômeno foram mediadas pelas teorias de Michel Foucault e Giorgio Agamben acerca dos entrelaçamentos de poder, vida e morte na modernidade. Evidencia-se o acionamento da noção “ideologia de gênero” no espaço público como uma estratégia de disputa pelo poder político. Demonstra-se que a introdução do combate à “ideologia de gênero” na agenda política nacional contemporânea alicerça um projeto conservador antidireitos que intensifica a desvalorização das vidas dos sujeitos ininteligíveis pela a matriz heteronormativa. Palavras-chave: Biopolítica; ideologia de gênero; vida nua.

  • SERTÃO, SERTANEJAS E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: ANÁLISE DOS DADOS ESTATÍSTICOS DO SERTÃO DE PERNAMBUCO

    Este trabalho analisa os dados da violência doméstica e familiar contra a mulher na região do sertão do Araripe de Pernambuco. Os dados são disponibilizados pelas Secretarias de Defesa Social e da Mulher do estado, e são referentes aos anos de 2015 a 2018. Apesar dos números absolutos serem considerados pequenos, uma correlação entre os marcadores de gênero e regionalidade é uma forma mais fidedigna para analisar os registros. Percebeu-se que a região apresenta um número baixo de solicitações de medidas protetivas de urgência em relação aos números de ocorrências registradas em relação à violência doméstica e familiar contra a mulher. Palavras-chave: Violência contra a mulher; gênero; regionalidade.

  • CRIMES CONTRA LGBTS NO BRASIL E O DISCURSO DO ESTADO PELOS ÓRGÃOS DE SEGURANÇA PÚBLICA E JURÍDICOS

    Este artigo tem como objetivo analisar quatro assassinatos que envolvem motivação LGBTfóbica com base na intepretação das instituições jurídicas e de segurança pública do Estado brasileiro. As instituições jurídicas contemporâneas, expressão de um Estado democrático, conseguem resguardar, em certa medida, os corpos LGBTs e punir quem os golpeia. Entretanto, tais instituições não são capazes de perceber a violência contra LGBTs como uma construção cultural e histórica na sociedade. Mesmo que haja alguns avanços jurídicos, é fundamental um investimento político, social e cultural contra a discriminação e em favor da diversidade sexual. Palavras-chave: Violência; abjeção; sexualidades.

  • INCLUSÃO NA AGENDA PÚBLICA, ATIVISMO RELIGIOSO E RETROCESSOS NOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS: O CASO DO ABORTO

    Este artigo examina como o ingresso na agenda pública não assegura que um dado problema social permaneça nela. Para tanto, discute os ataques aos direitos reprodutivos e sexuais, principalmente os realizados por parlamentares do Congresso Nacional vinculados a religiões cristãs. Os dados para esse artigo foram coletados de diferentes fontes, como relatórios legislativos e projetos de lei. O exame dessas fontes mostra que os ataques contra os direitos sexuais e reprodutivos estão em ascensão e servem para dar suporte a uma ampla agenda regressiva. Mostra, igualmente, que os direitos em questão detêm uma posição instável na agenda pública. Palavras-chave: Direitos sexuais e reprodutivos; aborto; religião

  • EDITORIAL
  • INSURGÊNCIAS NAS TRAJETÓRIAS EM DIÁSPORA DE UNIVERSITÁRIAS HAITIANAS EM BELO HORIZONTE, BRASIL

    A palavra insurgência, em seu significado dicionarizado, evoca uma organização que vai contra um movimento hegemônico; é utilizada sobretudo em contextos de rebelião contra um sistema social e político. Este artigo objetiva pensar como o deslocamento territorial de mulheres haitianas, motivado por questões estudantis, aponta para insurgências sobre a forma como as coisas são em um momento histórico, político e econômico, e em vários níveis. Confluímos com uma proposta teórica de insurgência como uma transgressão de um estado de coisas que se propõe instituído, articulando-a com os relatos das duas universitárias haitianas interlocutoras da pesquisa de mestrado aqui mencionada. Palavras-chave: Diáspora haitiana; estudantes haitianas; migrações estudantis.

Documentos em destaque