• Revista crítica de humanidades

Editora:
Universidade Católica do Salvador - UCSAL
Data de publicação:
2019-05-31
ISBN:
2447-861X

Documentos mais recentes

  • Editorial: entre o vírus e o estigma
  • Os dez mandamentos do sínodo especial para a Amazônia

    Este artigo representa uma contribuição direta dos trabalhos sinodais, a partir do Sínodo Especial para a Amazônia, realizado no Vaticano em outubro de 2019. Apresenta-se uma breve descrição dos caminhos sinodais desde a encíclica Laudato Sì, com o intento de caracterizar o método e a abordagem usada na reunião dos bispos. Os principais resultados do Sínodo para a Amazônia são descritos brevemente e, em seguida, elencamos os seus Dez Mandamentos, considerando os aspectos mais relevantes discutidos nesta reunião e que integram a voz da Amazônia com a voz e o sentimento dos participantes do Sínodo. Argumenta-se, ao final, que o cuidado da Casa Comum deve garantir que os Dez Mandamentos sejam uma constante nas açōes de uma Igreja profética, aliada dos povos da Amazônia.

  • O sínodo da Amazônia - Um acontecimento definidor

    O artigo analisa o Sínodo da Amazônia, promovido pela Igreja Católica, em Roma, de 6 a 27 de outubro de 2019. Contém apresentação do significado e relevância; análise em 3 partes: o projeto da Igreja para o Sínodo, a cobertura da mídia impressa, e a posição final do Papa; a conclusão, que inclui o Sínodo na política proposta pelo Papa Francisco de novo modelo civilizatório e conversão da própria Igreja.

  • A noção de governança: uma mesocategoria da ação coletiva

    Este artigo examina as origens e os limites da noção de governança, como uma mesocategoria da ação coletiva de caráter polissêmico, observando contextos políticos distintos, ou seja, do neoliberalismo às tendências contra-hegemônicas de lutas e demandas da cidadania nos territórios. O esforço analítico relaciona a noção de governança com as práticas, discursivas e conceituais, politicamente ‘situadas’, que estabelecem relações dialéticas entre conhecimento e política, sob a forma de conflitos cognitivos sobre a regulação social nos territórios e os direitos de grupos sociais em disputa. Trata-se de observar os arranjos de governança quanto às relações de poder, cuja dinâmica não se restringe exclusivamente ao Estado, mas envolve forças sociais em conflito, mediadas por processos cognitivos e simbólicos de construção da hegemonia na política.

  • Economia solidária, ativismo sociopolítico e democracia

    O artigo examina a contribuição da Economia Solidária para os processos democráticos no Brasil, a partir da sua presença e atuação em movimentos e organizações de caráter social e político, tal como se encontram registradas nas bases de dados do Sistema Nacional de Informações sobre a Economia Solidária no Brasil. Após caracterizar o escopo temático e o grau de disseminação dessas formas de atuação, avalia sua convergência com questões de interesse coletivo e com procedimentos de caráter democrático. Discute também as relações entre os níveis de ativismo sociopolítico e as formas de gestão participativa adotada internamente pelos empreendimentos de economia solidária. Por fim, analisa os traços distintivos da liderança e seu possível distanciamento daqueles indivíduos cuja associação constitui a base dos empreendimentos. Ao tratar do ativismo sociopolítico de setores das classes populares, concluindo positivamente a respeito, o artigo tem como pano de fundo a questão democrática, o fato de que os cidadãos brasileiros permanecem profundamente desiguais do ponto de vista dos seus recursos econômicos, da discriminação imposta por padrões culturais ainda vigentes e da sua vulnerabilidade a círculos de dependência e subordinação política.

  • As famílias rurais nas feiras livres: espaços de produção, comercialização e consumo

    O trabalho objetiva analisar e compreender os motivos que conduzem as famílias rurais a comercializar seus produtos na feira livre, além de identificar o perfil socioeconômico das famílias feirantes, a produção e suas relações de comercialização e consumo em Santa Maria, RS. Para isso utilizou-se um roteiro semiestruturado que foi aplicado na feira da Tancredo Neves e na feira da Praça Roque Gonzales em Santa Maria, RS. A pesquisa revelou que os agricultores escolhem as feiras livres por constituir-se um canal flexível e pouco burocrático onde conseguem maior preço pelo produto ao comparado com os estabelecidos pelo mercado tradicional. As famílias rurais feirantes possuem uma renda residual relevante, dadas as restrições no tamanho da propriedade, sendo que a feira representa um complemento na renda familiar, demostrando a importância deste canal para a reprodução econômica da família e também para o desenvolvimento rural do município de Santa Maria, RS.

  • Desigualdades raciais no espaço urbano

    Este texto se propõe a discutir como os padrões e os impactos da segregação sócio espacial se articulam com as desigualdades raciais na sociedade brasileira, com base em dados dos Censos demográficos, das PNADS e de algumas pesquisas empíricas realizadas em Salvador, capital do Estado da Bahia, que constitui atualmente a quarta maior cidade do país e onde os negros representam a absoluta maioria da população. Para tanto, ele se reporta inicialmente à questão da segregação e do denominado “efeito território”, abordando a literatura sobre esses fenômenos e sobre o seu desenvolvimento. Analisa, a seguir, como os padrões de segregação se articulam com as desigualdades raciais e como a concentração de moradores pobres e majoritariamente negros em áreas homogêneas, precárias e desassistidas agrava a sua despossessão e a sua vulnerabilidade, ressaltando que a apropriação diferenciada do território urbano também contribui para a persistência e para o agravamento das desigualdades raciais no Brasil.

  • Educação de adultos como processo continuado e permanente: um estudo de caso com idosos

    O artigo trata da educação da pessoa idosa. Discute práticas e processos socioeducativos que materializam o programa voltado à Política Pública na perspectiva de educação escolar e social. Aponta a importância da Educação Continuada e Permanente na vida do idoso. Objetiva analisar os aspectos educativos que concretizam a ressignificação da vida e reconstrução de si na fase idosa, vivenciando aprendizagens e saberes no ambiente de uma Universidade Aberta à Terceira Idade (UATI), programa de extensão. Adota a pesquisa qualitativa conspecto no caráter fenomenológico, utiliza a autobiografia como dispositivo metodológico e a entrevista narrativa como geradora do corpus de pesquisa. Suporta a discussão do corpus de pesquisa nas escritas de Abrahão (2018); Freire (2006); Palomo (2006); Serra (2015); Silva (2013); Souza (2015), Souza Filho (2019), outros. Os resultados evidenciaram a evolução dos sujeitos mediante práticas educativas voltadas à subjetivação, à compreensão de “si”, à reconstrução e ressignificação de “si” e à importância da educação ao longo da vida.

  • Os ataques à educação profissional na atualidade

    Este artigo retrata os ataques que a Educação Profissional enfrenta na atualidade. Seu objetivo geral é demonstrar que a Rede Federal de Educação Profissional, por protagonizar um projeto político pedagógico inovador, incomoda certos atores da hegemonia capitalista e por isso é alvo de ataques nos tempos atuais. Indica que a Rede IF aponta para o desenvolvimento da ciência, da educação, da cultura e do pensamento crítico; sinaliza a intenção do neoliberalismo em “colocar em xeque” a existência e a funcionalidade dos Institutos Federais como espaços de produção e socialização do conhecimento. Reafirma a Política de Educação Profissional como um direito social que precisa ser fortalecido para enfrentar os ditames e a brutalidade do capital, direito este fruto de muitas lutas sociais, e que hoje incomoda aos detentores do capital, por sinalizar uma cidadania crítica e uma educação socialmente referenciada.

  • Resenha: A Lógica das Expulsões por Saskia Sassen

    SASSEN, Saskia. Expulsões. Brutalidade e complexidade na economia global. Trad. Angélica Freitas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016. 336 p. ISBN 978-85-7753-351-0

Documentos em destaque