• Revista de Ciências Humanas

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2010-09-07
ISBN:
0101-9589

Descrição:

Revista de Ciências Humanas é um periódico multidisciplinar que publica textos inéditos (artigos regulares, comentários, resenhas de livros, depoimentos e obituários), com especial atenção aos textos que trazem resultados de pesquisas, revisões da literatura de pesquisa e reflexões críticas sobre experiências realizadas nas diferentes áreas das Ciências Humanas.

Documentos mais recentes

  • A participação das comunidades tradicionais de terreiro no campo da saúde: as pesquisas em psicologia social

    Esse artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre a saúde da população negra e a participação da religiosidade afro brasileira, no campo da Psicologia Social . Ele integra uma pesquisa de cunho mais amplo que pretende colaborar com as propostas da Política Nacional para a Saúde da População Negra, que reconhece as comunidades tradicionais de terreiro como sendo promotoras da saúde. Considera se aqui o papel da Psicologia Social, em sua vertente crítica, para com o combate ao racismo no Brasil, e para com as propostas de transformação social. A busca pela produção limitou se às Revistas de Psicologia (em interface com o social), indexadas na Rede Scielo e na LILACS Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme). Foram encontrados apenas dois artigos, o que aponta para uma fragilidade das pesquisas neste campo, o que solicita à Psicologia Social uma reflexão sobre tal resultado, uma vez que restringe sua participação n os movimentos e lutas pela equidade étnico raciais no Brasil. Palavras chave: Psicologia social. Equidade em saúde. R eligiões afro brasileiras.

  • Transição paradigmática e meio ambiente: posição de dois grupos etários Paradigmatic transition and environment: position of two age groups Transición paradigmática y medio ambiente: posición de dos grupos de edad

    O modo como as pessoas percebem, representam e valorizam o meio ambiente permite compreender comportamentos que o afetam. Assim, buscamos caracterizar as representações sociais da natureza, do meio ambiente e da água, e as crenças ambientais de 133 jovens e 100 adultos maduros. Os dados dos dois grupos etários foram comparados a fim de se poder vislumbrar a evolução do pensamento ecológico entre gerações. Utilizando a Escala NEP, encontramos um sistema de crenças biocêntrico para ambos os grupos etários, não tendo sido observada diferença estatisticamente significativa entre eles. As representações sociais, obtidas através de questionário de evocações livres, também se apresentaram similares nos dois grupos. Verificamos, todavia, que a identificação ao paradigma biocêntrico não foi confirmada pelo estudo das representações sociais, que apontou tanto elementos biocêntricos como antropocêntricos. Tais contradições sugerem um processo gradual de transição de paradigmas, em que ambas as visões de mundo coexistem. Palavras-chave: Psicologia ambiental. Representação social. Atitudes. Meio ambiente.

  • Administração do terceiro setor: desafios enfrentados na gestão de ONGs LGBTS

    As organizações não-governamentais se destacam pela atuação na solução de problemas sociais que não têm sido bem resolvidos pelo Estado tampouco pelo mercado. Tendo em vista que um de tais problemas sociais é a homofobia, refletida em falta de segurança pública, carência de políticas para saúde, educação, demanda por direitos para a população LGBT, a presente pesquisa foi delimitada para o caso de duas ONG LGBT situadas no Rio de Janeiro. O estudo objetivou identificar as principais dificuldades encontradas na gestão dessas ONG e, mais especificamente, analisar, mediante o método do estudo de caso, de que forma a homofobia presente na sociedade poderia interferir nos projetos e ações de tais organizações. Foram identificados problemas ligados principalmente à dificuldade de captação de recursos financeiros, mas também à qualificação do pessoal, sobrecarga de tarefas e obstáculos para promoção de eventos de combate à homofobia, limitando a potência de atuação dessas ONG.

  • Um estudo da mulher no processo educativo medieval do século IX: reflexões sobre o manual de Dhuoda

    O objetivo desse artigo é refletir sobre o lugar da mulher no processo educativo medieval do século IX. Este estudo pauta-se no âmbito da história da educação e será feito segundo reflexões do Manual La educación cristiana de mi hijo, de Dhuoda (c. 800-843). A autora foi uma mãe pertencente à nobreza, de origem germânica, que viveu no período da dinastia carolíngia. A proposta é evidenciar, com o escrito dessa mulher ‘educadora’ o lugar do feminino na educação medieval do século IX. Ao prezar pela formação humana e intelectual de seu filho, Dhuoda redige o Manual fundamentando-se nos escritos clássicos de sua época. Nesse sentido, a proposta é evidenciar que neste período havia uma preocupação com a educação da criança e, no caso da nobreza, essa ‘função’ era feminina.

  • Oficinas para crianças em situação de rua: cartografia das pesquisas em psicologia social

    A Convenção sobre os Direitos da Criança propôs um novo paradigma que considera as crianças como sujeitos de direitos. No entanto, no Brasil, a efetivação desses direitos ainda parece distante, o que demonstram os indicadores sociais. Com este foco, apresentaremos parte de uma pesquisa que objetivou investigar a produção científica sobre violações dos direitos humanos na infância. Serão apresentadas as publicações que investigaram as atividades desenvolvidas em entidades voltadas para a infância em situação de rua. Utilizando o método estado da arte, a pesquisa incidiu sobre as revistas de psicologia indexadas no portal da Qualis CAPES com a classificação de A1 até C, sendo encontrados dois artigos. Os resultados demonstram a fragilidade das pesquisas da psicologia social na análise das metodologias utilizadas no referido campo de pesquisa, o que dificulta sua colaboração na construção de indicadores para avaliação dos serviços voltados para o atendimento às crianças em situação de rua.

  • Deborah Britzman e a educação sexual: entre a pedagogia queer e a psicanálise

    Ao articular os estudos queer com a psicanálise e com a educação, encontramos a teoria de Deborah Britzman na construção de uma educação sexual que não esteja associada com a previsibilidade e com a estabilidade. Para compreender a pedagogia queer como um campo pedagógico que subverte o discurso ideal da educação, apresentamos os estudos queer e seus pressupostos epistemológicos. Coloca-se em xeque a estabilidade das identidades e dos saberes, através da recusa intencional da identidade normalizada que produz anormalidades. Questiona-se o porquê e o quê ensinar, as “normalidades inquestionáveis” que estão associadas aos conteúdos, métodos, hierarquias e identidades escolares. A proposta pedagógica de Britzman apostará na arte, na literatura, nos jogos, nos filmes, nas brincadeiras, nos depoimentos em primeira pessoa, nas músicas e nas conversas livres e não-hierárquicas. Sugere-se que esta pode ser uma metodologia profícua para a superação das resistências à criatividade e à educação sexual.

  • Psicanálise e universidade: a proposta do LAPCIP

    O artigo busca situar, sob a ótica de Freud e Lacan, algumas dificuldades e possibilidades da inserção da psicanálise na universidade. Partimos da história da entrada da psicanálise no Brasil, apresentando na sequência as contribuições de Freud e de Lacan sobre o ensino da psicanálise nesse âmbito. Diferenciamos ensino de transmissão, discurso científico e discurso da psicanálise. Sustentamos que a transmissão se dá para além do ensino e que o discurso da psicanálise busca evidenciar e questionar os lugares da verdade presentes no discurso científico. Em seguida, na busca de um lugar para a psicanálise na universidade, apresentamos uma proposta de inserção pela via do Laboratório de Psicanálise, Processos Criativos e Interações Políticas (LAPCIP) da Universidade Federal de Santa Catarina. Concluímos que dar um lugar à psicanálise na universidade é sempre uma aposta guiada pelo desejo, que não implica no fechamento para outras possibilidades.

  • Experiências amorosas, gêneros e sexualidades na juventude contemporânea

    O presente trabalho busca investigar como as experiências amorosas são significadas pelas juventudes contemporâneas. Procuraremos discutir o conceito de amor romântico e seus desdobramentos nos relacionamentos amorosos, bem como a diversidade dos diferentes relacionamentos levando em conta principalmente os atravessamentos dos marcadores de gênero e sexualidade. Apresentaremos os resultados de uma pesquisa em que participaram 174 jovens entre 17 e 29 anos e na qual analisamos os significados produzidos em narrativas sobre as temáticas do amor e dos relacionamentos amorosos. Procuraremos demonstrar, também, as contribuições dos Estudos Feministas para as discussões sobre o amor e as experiências amorosas.

  • Trabalho, tempo livre e aposentadoria: categorias coexistentes na velhice Work, free time and retirement: coexisting categories in old age Trabajo, tiempo libre y jubilación: categorías coexistentes en la vejez

    Trabalho e aposentadoria são temas recorrentes no cenário das pesquisas no Brasil, notadamente devido à elevação da expectativa de vida, que possibilitou aos indivíduos um tempo logo após a aposentadoria que necessita ser visto, compreendido e explorado. Este artigo objetiva discutir sobre três categorias que envolvem o idoso no séc. XXI - Trabalho, Tempo Livre e Aposentadoria – mediante desenvolvimento de pesquisa de natureza bibliográfica em livros e artigos correlatos ao assunto. Obteve-se que o trabalho pode ser compreendido de forma positiva e negativa e que a maneira como o idoso vive se reflete em uma aposentadoria com significados agradáveis ou desagradáveis - tempo livre que alguns até desejam, enquanto outros temem, pelo sentimento de inutilidade e abandono que suscita. Conclui-se que o estar aposentado no séc. XXI envolve uma gama de interpretações e o simbolismo individual desse tempo de forma peculiar, influenciado pela sua história de vida.

  • Narrativas de mulheres sobre o enfrentamento à violência na saúde Women's narratives about coping violence in health care Narrativas de las mujeres sobre el enfrentamiento de la violencia en la salud

    A violência contra as mulheres, entendida como produto das desigualdades de gênero, interseccionada com questões de raça e classe tomou uma importância crescente no mundo e no Brasil ao longo das últimas décadas. Sendo assim, com o objetivo de compreender as ações de enfrentamento à violência contra as mulheres no contexto da atenção primária a saúde entrevistamos 15 mulheres usuárias dos serviços em Recife/ Pernambuco. Organizamos os resultados a partir de quatro categorias: concepções de violência contra as mulheres, motivações para as situações de violência, estratégias de enfrentamento às violências contra as mulheres e atenção às violências contra as mulheres nas Unidades de Saúde da Família. Este trabalho nos levou a refletir sobre a necessidade e importância de que deve haver a discussão da temática da violência contra as mulheres dentro das USF e o reconhecimento que essas unidades são o primeiro lugar que as mulheres buscam para realização do cuidado.

Documentos em destaque