• Revista de Ciências Humanas

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2010-09-07
ISBN:
0101-9589

Descrição:

Revista de Ciências Humanas é um periódico multidisciplinar que publica textos inéditos (artigos regulares, comentários, resenhas de livros, depoimentos e obituários), com especial atenção aos textos que trazem resultados de pesquisas, revisões da literatura de pesquisa e reflexões críticas sobre experiências realizadas nas diferentes áreas das Ciências Humanas.

Documentos mais recentes

  • A participação das comunidades tradicionais de terreiro no campo da saúde: as pesquisas em psicologia social

    Esse artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre a saúde da população negra e a participação da religiosidade afro brasileira, no campo da Psicologia Social . Ele integra uma pesquisa de cunho mais amplo que pretende colaborar com as propostas da Política Nacional para a Saúde da População Negra, que reconhece as comunidades tradicionais de terreiro como sendo promotoras da saúde. Considera se aqui o papel da Psicologia Social, em sua vertente crítica, para com o combate ao racismo no Brasil, e para com as propostas de transformação social. A busca pela produção limitou se às Revistas de Psicologia (em interface com o social), indexadas na Rede Scielo e na LILACS Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme). Foram encontrados apenas dois artigos, o que aponta para uma fragilidade das pesquisas neste campo, o que solicita à Psicologia Social uma reflexão sobre tal resultado, uma vez que restringe sua participação n os movimentos e lutas pela equidade étnico raciais no Brasil. Palavras chave: Psicologia social. Equidade em saúde. R eligiões afro brasileiras.

  • Transição paradigmática e meio ambiente: posição de dois grupos etários Paradigmatic transition and environment: position of two age groups Transición paradigmática y medio ambiente: posición de dos grupos de edad

    O modo como as pessoas percebem, representam e valorizam o meio ambiente permite compreender comportamentos que o afetam. Assim, buscamos caracterizar as representações sociais da natureza, do meio ambiente e da água, e as crenças ambientais de 133 jovens e 100 adultos maduros. Os dados dos dois grupos etários foram comparados a fim de se poder vislumbrar a evolução do pensamento ecológico entre gerações. Utilizando a Escala NEP, encontramos um sistema de crenças biocêntrico para ambos os grupos etários, não tendo sido observada diferença estatisticamente significativa entre eles. As representações sociais, obtidas através de questionário de evocações livres, também se apresentaram similares nos dois grupos. Verificamos, todavia, que a identificação ao paradigma biocêntrico não foi confirmada pelo estudo das representações sociais, que apontou tanto elementos biocêntricos como antropocêntricos. Tais contradições sugerem um processo gradual de transição de paradigmas, em que ambas as visões de mundo coexistem. Palavras-chave: Psicologia ambiental. Representação social. Atitudes. Meio ambiente.

  • Trabalho, tempo livre e aposentadoria: categorias coexistentes na velhice Work, free time and retirement: coexisting categories in old age Trabajo, tiempo libre y jubilación: categorías coexistentes en la vejez

    Trabalho e aposentadoria são temas recorrentes no cenário das pesquisas no Brasil, notadamente devido à elevação da expectativa de vida, que possibilitou aos indivíduos um tempo logo após a aposentadoria que necessita ser visto, compreendido e explorado. Este artigo objetiva discutir sobre três categorias que envolvem o idoso no séc. XXI - Trabalho, Tempo Livre e Aposentadoria – mediante desenvolvimento de pesquisa de natureza bibliográfica em livros e artigos correlatos ao assunto. Obteve-se que o trabalho pode ser compreendido de forma positiva e negativa e que a maneira como o idoso vive se reflete em uma aposentadoria com significados agradáveis ou desagradáveis - tempo livre que alguns até desejam, enquanto outros temem, pelo sentimento de inutilidade e abandono que suscita. Conclui-se que o estar aposentado no séc. XXI envolve uma gama de interpretações e o simbolismo individual desse tempo de forma peculiar, influenciado pela sua história de vida.

  • Narrativas de mulheres sobre o enfrentamento à violência na saúde Women's narratives about coping violence in health care Narrativas de las mujeres sobre el enfrentamiento de la violencia en la salud

    A violência contra as mulheres, entendida como produto das desigualdades de gênero, interseccionada com questões de raça e classe tomou uma importância crescente no mundo e no Brasil ao longo das últimas décadas. Sendo assim, com o objetivo de compreender as ações de enfrentamento à violência contra as mulheres no contexto da atenção primária a saúde entrevistamos 15 mulheres usuárias dos serviços em Recife/ Pernambuco. Organizamos os resultados a partir de quatro categorias: concepções de violência contra as mulheres, motivações para as situações de violência, estratégias de enfrentamento às violências contra as mulheres e atenção às violências contra as mulheres nas Unidades de Saúde da Família. Este trabalho nos levou a refletir sobre a necessidade e importância de que deve haver a discussão da temática da violência contra as mulheres dentro das USF e o reconhecimento que essas unidades são o primeiro lugar que as mulheres buscam para realização do cuidado.

  • Rap e política: um debate teórico-metodológico

    Este artigo tem como objetivo problematizar alguns trabalhos que pesquisam a música do Rap, e propor outra abordagem. Esses trabalhos colocam o Rap no lugar de uma arte politizada. As artes, todavia, não operam com hierarquias, mas sim na invenção de outros lugares. Em contraponto a uma ideia de comunidade que funciona hierarquicamente, trabalhamos a partir do conceito de política no regime estético das artes, trabalhado por Jacques Rancière, onde não cabe definir o lugar das artes, mas sim analisar a arte em sua eficácia estética, pois qualquer arte tem o poder de fazer política, independente do seu conteúdo ou motivações. Entendemos que, pelo duplo poder das artes – em bagunçar as evidências de dominação e destinação dos corpos – podemos compreender esta época democrática. Propomos analisar essas cenas onde os corpos, antes destinados pelas hierarquias à obediência ou a arte politizada, participam de um processo de subjetivação política.

  • Há psicologias em movimento? Problematizações (im)pertinentes nada inocentes sobre os prazeres, as sexualidades e os gêneros na formação em psicologia

    Esta pesquisa se enunciou a partir de questionamentos acerca dos constantes embates vivenciados em sala de aula ao trazermos a temática de outras sexualidades, outros prazeres e de outras expressões de gênero, dissidentes dos modelos identitários heteronormativos em nosso cotidiano universitário. Destes tensos encontros, anunciaram-se indagações como: - Que Psicologias estamos ensinando? - Que psicólogs estão se formando atualmente? E mais uma indagação ainda: - Há uma identidade psi? As cartografias anunciadas destacam o necessário agenciamento de novos contratos éticos - estéticos e políticos nos territórios da formação em Psicologia, para a produção de outras Psicologias e que produzem outrs modos de estar psicólogs, através de desterritorizalizações das teorias tradicionais e de procedimentos de mensuração das vidas, com claras e pouco ingênuas, intenções de desconstrução das estratégias enrijecidas construídas e validadas pelas Psicologias de pastoreio, em prol da emancipação das experimentações dos corpos nas práticas sexuais, afetivas, políticas e éticas de Psicologias.

  • Educação em valores morais: práticas de profissionais no contexto escolar

    Este artigo apresenta o resultado de uma pesquisa cujo objetivo foi investigar práticas de educação em valores morais (EVM) em escolas públicas estaduais de ensino fundamental (6.º ao 9.º ano) e médio do Espírito Santo. Analisa os dados extraídos das respostas a um questionário, que pôde ser preenchido de forma impressa ou on-line, aplicado a 92 profissionais da educação. Informa que (1) as práticas enfatizaram, majoritariamente, o tema dos valores sociais; (2) o assunto mais trabalhado, dentro de valores morais e éticos, referiu-se a respeito; (3) a maior parte das experiências teve duração igual ou superior a 12 meses e (4) como recurso de trabalho para a EVM as ações em geral e artísticas foram as mais utilizadas. Os dados obtidos neste estudo têm implicações práticas, podendo servir de subsídios para a implementação de políticas públicas cuja finalidade seja a capacitação e o aperfeiçoamento dos educadores no que diz respeito à EVM.

  • Protocolos de avaliação de risco: ferramentas para avaliar e combater a violência contra as mulheres

    A violência de gênero, principalmente a cometida contra as mulheres é um fenômeno mundial e está historicamente ancorada em práticas sexistas amplamente disseminadas, sendo considerada como todo ato de violência baseada no gênero que tenha ou possa ter como resultado um dano e sofrimento para as mulheres. Neste texto é apresentado o modelo integral de fases de liberação e recuperação dessas mulheres de Neus Roca Cortés e colaboradoras. Trata-se de um modelo com perspectiva de gênero buscando a compreensão da dinâmica psicossocial da mulher durante o tempo que transcorre entre a vinculação com o companheiro que exercerá a violência, até a liberação dessa violência e a reconstrução da própria vida em liberdade. São tecidas considerações sobre a necessidade de criação de instrumentos para detectar a gravidade dos riscos que as mulheres podem sofrer, como prevenção e proteção das mesmas em seu processo de busca de ajuda.

  • Funções executivas e regulação cognitivo-emocional: conexões anatômicas e funcionais

    O estudo das funções executivas (FEs) tem sido alvo de pesquisas com foco na relação cérebro-comportamento, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento de habilidades sociais e o controle emocional em crianças, adolescentes e adultos com lesão cerebral no lobo frontal. Uma vez que essas funções são fundamentais para a adaptação do indivíduo em sociedade, é possível perceber sua importância na evolução filogenética do homem como um mecanismo de regulação e controle do comportamento. Por essa razão, este artigo tem como objetivo fornecer um panorama geral de estudos e descobertas acerca das FEs, focando nos aspectos neuroanatômicos e seus correspondentes comportamentais, especialmente nos processos cognitivos e na regulação emocional.

  • Psicólogo na assistência social: o lugar do homem e diálogos epistemológicos feministas na prática profissional

    Traduzir a experiência de corpos cisnormativos masculinos, categorizados como homens, na participação de lugares reconhecidos como femininos, Política Pública de Assistência Social, e feministas, Teorias Feministas Pós-estruturalistas, é o objetivo que nos propomos alcançar. Partimos da compreensão de que a experiência, história encenada pela linguagem, produz o sujeito e não algo que o sujeito tenha como propriedade ou que seja anterior a ele. Assim, relatamos nossos percursos nas teorias feministas e a contribuição destas na construção de nossas práticas no Sistema Único de Assistência Social, por meio de três perguntas: Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Com elas, concluímos que, justamente por sermos homens, precisamos denunciar os privilégios para construir pontes para mudanças e não abismos para a manutenção, rompendo com a generalização da categoria homem, explicitando que estamos em um lugar de homem generificado, produzido pelas normas de gênero, mas que buscamos a desestabilização deste lugar.

Documentos em destaque