• Política & Sociedade. Revista de Sociologia Política

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2011-03-10
ISBN:
2175-7984

Descrição:

Destinada à divulgação de artigos, resenhas, traduções e ensaios bibliográficos inéditos sobre temas e problemas de Sociologia Política e de disciplinas afins, a revista orienta-se pelos critérios de qualidade acadêmica e da relevância social do conteúdo de suas publicações.

Documentos mais recentes

  • Apresentação - Dossiê 'Leigos e peritos na governança socioambiental: perspectivas nas duas margens do Atlântico
  • Nem leigos nem peritos: o semeador e as mudanças climáticas no Brasil

    A agenda das mudanças climáticas e suas relações com lutas e mobilizações sociais tem crescido nas últimas décadas em escala global. No campo sociológico, o tema tem recebido interesse crescente, tanto em sua produção científica como no engajamento social. A partir de levantamento da produção sociológica brasileira em periódicos nacionais, buscou-se verificar como esse processo está em andamento no Brasil. Em seguida, buscando refletir sobre a relação entre a produção científica e a mobilização das ruas, analisam-se, de forma comparativa, as manifestações da greve climática ocorridas em setembro de 2019. Tanto a produção acadêmica quanto a mobilização social foram extremamente pouco representativas no caso analisado. Palavras-chave: Mudanças climáticas. Antropoceno. Greve pelo clima. Fridays for future. Justiça climática

  • Alterações climáticas, avaliação técnica e opinião pública: perspectivas ibéricas no contexto europeu

    Tendo em mente o cenário desencadeado pelas Alterações Climáticas (ACs) e o contexto europeu, este artigo pretende contribuir para fazer um balanço geral da situação nos países ibéricos, com dois tipos de dados complementares. Por um lado, dados objetivos, assentes no conhecimento técnico-científico, avançados pelo Índice de Desempenho em Alterações Climáticas (Climate Change Performance Index – CCPI), que inclui a consulta de peritos. Por outro lado, fazendo uso dos inquéritos à opinião pública europeia sobre as mesmas matérias (Eurobarômetro Especial 490 de 2019), analisa-se o ponto de vista dos leigos (i.e., percepções e atitudes dos cidadãos). Globalmente, pode concluir-se que existe um certo afastamento entre peritos e leigos quanto ao problema das ACs e suas consequências, ficando clara a urgência da sua aproximação para se conseguir um processo adaptativo mais rápido e eficaz e, também, mais justo. Palavras-chave: Alterações climáticas. Leigos. Peritos. Opinião pública. Políticas públicas

  • Consumidores e agricultura orgânica em Portugal: significados e (des)confiança

    Nos últimos anos do corrente século, o sector da agricultura orgânica tem visto as suas áreas de produção, cotas de mercado e número de consumidores a crescer. Na União Europeia, o enquadramento legal desse modo de produção data do início dos anos 90 do século XX, mas ao longo dos anos essa legislação tem sido alvo de várias alterações. Apesar de um enquadramento legal apertado, surgem, por vezes, situações de fraude ou controvérsia em torno da fiscalização e certificação dos produtos orgânicos. As falhas dos sistemas periciais, técnicos e científicos no controlo e monitorização da produção alimentar orgânica, mesmo que ocorram excecionalmente, quando são divulgadas pelos media acabam por aumentar, junto dos consumidores, a desconfiança e a falta de credibilidade na origem de produção desses alimentos. Neste texto, com base em dados qualitativos e quantitativos, analisam-se os significados que os consumidores têm sobre os produtos orgânicos, muitas vezes confundindo-os com os produtos que cultivam em casa ou que lhes são oferecidos pelas suas redes familiares, de amigos e vizinhos. Também se analisam os mecanismos de construção de uma relação de confiança com os alimentos orgânicos, que passam tanto pelo conhecimento pericial inscrito num certificado e num logótipo como também pelo conhecimento tácito, leigo, experiencial e sensorial que têm com esses alimentos no seu quotidiano. Conclui-se que os consumidores usam diferentes e múltiplas estratégias, conjugando o conhecimento pericial com o conhecimento mais leigo, para se assegurarem de que o que ingerem nos seus corpos são mesmo produtos orgânicos. Palavras-chave: Agricultura orgânica. Consumidores. Desconfiança. Sistema alimentar. Significados de produtos orgânicos

  • Além dos supermercados: novas estratégias no mundo dos alimentos orgânicos no Brasil

    Este artigo analisa novas empresas de alimentos orgânicos no Brasil, que, inspiradas em experiências alternativas, emergem como facilitadoras da relação entre consumidores e produtores, ofertando assinaturas de cestas e utilizando a internet profissionalmente. O trabalho de campo compreende entrevistas com representantes dessas empresas e entidades do setor, análise de publicidade on-line e publicações na mídia. Na primeira parte do artigo, discutimos literatura sociológica relevante sobre o tema. Na segunda, analisamos o funcionamento dessas empresas e os usos da internet; as percepções sobre o perfil dos clientes; a mediação das empresas entre consumidores e conhecimentos peritos sobre consumo, riscos e legislação alimentar; e as relações de confiança. Concluímos que as tecnologias digitais coordenam o funcionamento das empresas e sua publicidade e contribuem para gerar confiança nos serviços; observamos que tais empresas contam com cadeias híbridas de fornecimento e que precisaram criar estratégias para enfrentar problemas no fornecimento, confiança (em produtores, de consumidores) e insatisfação de clientes. Palavras-chave: Redes alimentares. Tecnologias digitais. Consumidores. Conhecimento perito

  • A bactéria da desconfiança: da inépcia à perplexidade

    O surto da doença dos legionários, ocorrido no município de Vila Franca de Xira, caracterizou-se por controvérsias públicas e científicas, pela desconfiança nos sistemas de monitorização e por um processo judicial moroso, que aprofundaram sentimentos de desconfiança na comunidade. Neste artigo, avança-se com alguns resultados de um workshop participativo que juntou cerca de três dezenas de pessoas para refletir sobre as suas consequências. Do processo deliberativo, pode concluir-se que as vulnerabilidades ambientais se juntam a vulnerabilidades sociais pré- -existentes, num intrincado social difícil de destrinçar, mas que parece ter sido delimitado por meios de monitorização e de definição de risco pouco adaptados à realidade. Conclui-se que as prevalecentes “relações de definição do risco” deram origem a um divórcio claro entre conhecimento técnico e leigo e subverteram a lógica sistémica, defendida, mas não praticada, pela sustentabilidade e pela convenção de Aarhus. Palavras-chave: Doença dos legionários. Sustentabilidade. Participação pública. Desconfiança. Vulnerabilidades

  • A coprodução das ciências e das políticas na gestão da biodiversidade marinha brasileira: a controvérsia sobre o manejo sustentável de espécies ameaçadas

    O uso sustentável de espécies ameaçadas está no centro de controvérsias tecnocientíficas internacionais que discutem o papel da ciência na orientação de políticas de conservação marinha. No Brasil, essas controvérsias repercutiram em disputas institucionais sobre a melhor forma de medir, avaliar e manejar os recursos pesqueiros. As disputas permearam negociações políticas para reversão de proibições de pesca de dezenas de espécies incluídas na Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção. Sob a perspectiva dos Estudos Sociais da Ciência, discutimos a influência dos conhecimentos peritos nas negociações políticas implicadas no caso. Analisando argumentos de críticos e apoiadores da medida, compreendemos que, no Brasil, incertezas científicas sobre o estado de conservação da fauna aquática resultam em práticas de gestão pública divergentes atuando sobre os mesmos espaços e recursos. Tais práticas associam visões concorrentes sobre como a administração pública deve lidar com a incerteza científica e coproduzem políticas de gestão da biodiversidade marinha. Palavras-chave: Estudos Sociais das Ciências. Ciência regulatória. Governança marinha. Coprodução

  • Redes agroalimentares alternativas e consumo crítico: o caso das feiras orgânicas de Porto Alegre

    As quatro últimas décadas coincidem com a aparição do que se convencionou chamar “redes agroalimentares alternativas”. Os inúmeros escândalos, a incerteza generalizada e a busca por alimentos mais saudáveis figuram em destaque, dentro de um movimento mais amplo denominado “turn of quality”, em que a ideia de qualidade ultrapassa os atributos estritos e tangíveis do produto. As feiras orgânicas de Porto Alegre se inserem dentro das transformações que incidem sobre o mundo da alimentação em geral. O foco do estudo é elucidar as circunstâncias que contribuíram para o seu surgimento, assim como as mutações que esse sistema local de abastecimento experimenta desde o seu surgimento. A pesquisa busca mostrar que as feiras orgânicas consistem num espaço social singular em que operam muito mais do que operações de compra e venda de alimentos. Não obstante, há desafios em relação ao futuro, especialmente os desdobramentos decorrentes do incremento da demanda e risco de convencionalização. Palavras-chave: Canais curtos de comercialização. Consumo crítico. Feiras livres. Agricultura orgânica. Agroecologia

  • Republicanismo e cristianismo: dilemas de uma relação problemática

    Autores como Pocock, Skinner e Pettit têm revalorizado o republicanismo como tradição política fundamental na constituição do mundo moderno, em contraste com a hegemonia da tradição liberal. Este trabalho pretende analisar aquela que tem sido caracterizada como uma relação das mais problemáticas e desafiadoras para os republicanos: a relação entre republicanismo e cristianismo. Tomando como fio condutor a análise do debate entre Black e Nederman, argumentamos que a dificuldade na análise das relações entre republicanismo e cristianismo deriva das próprias dificuldades do projeto neorrepublicano em delimitar o republicanismo como tradição política específica. A superação de tais dilemas envolveria uma melhor qualificação da tradição republicana, incluindo os temas da comunidade política como “comunidade universal”, uma concepção não instrumental da vida pública e o reconhecimento de que a concepção da liberdade como não dominação implica que as instituições republicanas promovem determinados valores. Palavras-chave: Republicanismo. Cristianismo. Política

  • A influência de ciclos político-econômicos em despesas socioeconômicas dos estados brasileiros de 2003 a 2014

    De acordo com a teoria dos ciclos político-econômicos, tanto o calendário eleitoral quanto a ideologia partidária podem exercer influência sobre as flutuações econômicas, portanto podem existir tanto ciclos oportunistas quanto partidários. Nesse sentido, este estudo objetiva evidenciar a possível existência de ciclos político-econômicos oportunistas e ideológicos sobre os gastos sociais e de investimento nos governos estaduais brasileiros entre o período de 2003 a 2014. Como fonte de estimação, utilizou-se uma análise econométrica de dados em painel. Os resultados apontaram para uma influência do calendário eleitoral apenas sobre as despesas orçamentárias de gastos com investimentos dos estados no período considerado, além disso a ideologia partidária não demonstrou ter relação com os gastos analisados. Este estudo contribuiu para a teoria evidenciando que as oscilações incorridas na economia, na esfera das despesas fiscais relacionadas aos gastos de investimento, são explicadas também por variáveis políticas, e não somente por quesitos puramente econômicos. Palavras-chave: Ciclos político-econômicos. Oportunismo político. Variáveis orçamentárias. Dados em painel

Documentos em destaque