• Esboços. Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2011-03-10
ISBN:
1414-722x

Descrição:

É uma revista dedicada a divulgar e debater artigos, pesquisas e enfoques que enriqueçam a produção do conhecimento histórico.

Documentos mais recentes

  • Utopia without us?

    As the prospect of self-authored human extinction increasingly appears as a plausible scenario of human futures, a growing number of efforts aim at comprehending it as the prospect of the world without us. Patrícia Vieira convincingly shows in her essay on utopia and dystopia in the Anthropocene that utopianism has become a prominent interpretive strategy to render the possibility of human extinction meaningful. This brief reflection argues against the feasibility of considering the world without us in utopian terms. It identifies three tacit assumptions in utopian interpretations of our disappearance: they (1) take for granted that prospects of human extinction and post-apocalyptic themes are of the same kind; (2) presume that the biological character of human extinction needs no special attention when situating it with the social character of utopian thinking; and (3) remain committed to an anthropocentric view in assuming that we are the ones to attribute meaning even to the world defined by our absence. In challenging these assumptions, the essay develops three theses on the relation of utopia and the prospect of the world without us. KEYWORDS: Utopia. Human extinction. Anthropocene

  • O futuro das utopias e das distopias em tempos presentistas

    Neste texto procuro responder a algumas inquietações suscitadas pelo artigo de Patrícia Vieira sobre o lugar das utopias e das distopias no mundo contemporâneo. Sublinho a necessidade de se pensar estas categorias históricas a partir dos problemas da consciência histórica e da temporalidade na perspectiva de Reinhart Koselleck a fim de localizar conteúdos e sentidos emanados a partir daquelas representações temporais. Com Hayden White sugiro a utilidade de se avaliar os vínculos entre a imaginação histórica e a criação textual, a fim de conectar o sentido dos textos e as expectativas sociais. Por fim, mobilizo o conceito de presentismo e a ideia de fechamento do futuro para tentar compreender essa experiência temporal particular deste início do milênio com a expansão das distopias e a permanência de antigas e novas utopias. PALAVRAS-CHAVE: Utopia. Distopia. Presentismo

  • Literary visions of post-apocalyptic worlds in the works of Mary Shelley, Margaret Atwood and Maggie Gee

    Once hailed as the pinnacle of evolutionary progress, the human subject has more recently been under severe attack due to the destructive potential that has been unleashed by humans, especially in the last two hundred years. As a result, contemporary literature and art is replete with images of a utopia without humans. Many writers see humans, or rather human destructiveness, as the real plague on the planet and offer visions of utopia placed in the post-apocalyptic post-human era. Drawing on Patricia Vieira’s seminal article titled “Utopia and Dystopia in the Age of the Anthropocene”, I will first discuss how Mary Shelley portrayed ecological awareness in her The Last Man. I will then move on to examine how increasing ecological destruction leads to (post)-apocalyptic visions in the works of Margaret Atwood and Maggie Gee. My aim in juxtaposing two contemporary writers with Mary Shelley is to show that despite their different socio-historical contexts, these women writers have produced works that can not only be read as visionary and cautionary tales but that also promote heightened ecological awareness as an antidote to destructive and – ultimately – self-destructive tendencies of humankind. KEYWORDS: Anthropocene. Post-apocalypse. Speculative science fiction

  • Utopia, dystopia and the future of Homo sapiens in the wake of Covid-19
  • Por uma leitura político-militar da Revolução Russa: o Estado Soviético e o comunismo de guerra permanente

    O presente artigo centra energia na leitura da política soviética construída no calor revolucionário, isto é, o ato hermenêutico que parte do desdobramento da lama das batalhas reais e imaginadas travadas no afã da construção de um estado proletário. Trata-se de descarga político-militar com o propósito de salvaguardar o projeto de superação do capitalismo, diante do iminente perigo da contrarrevolução. Nesse sentido, o autoritarismo soviético foi, com efeito, de matriz militar, carregado de disciplina e hierarquia belicosa, genealogia antes encontrada nos manuais militares do que nos livros de política marxista emancipatória. É o que explica a emergência de uma sociedade militarizada da cabeça aos pés. O objetivo principal deste artigo é o de interpretação político-militar acerca do processo revolucionário russo de 1917, a fim de constituir uma paisagem do real vivido com base nas práticas belicosas que acompanharam a formação do Estado Soviético. Assim, é possível, ao longo do texto, inferir que há uma importante singularidade no contexto revolucionário em tela, momento de emergência das guerras totais, que impactou no devir do primeiro Estado Socialista do século XX. PALAVRAS-CHAVE: Revolução russa. Estado Soviético. Nova história militar

  • A revista Tricontinental e a construção do Terceiro Mundo: conceito, itinerâncias e sensibilidades

    Na segunda metade do século XX, o Terceiro Mundo emergiu como uma importante categoria política, orientando formas de se estar e situar em relação ao mundo, como atestado pela Conferência Tricontinental realizada na Havana de 1966. Este trabalho estuda uma publicação fundada pelo encontro, a revista Tricontinental, com o objetivo de compreender seus esforços para tecer os laços políticos e discursivos que deveriam unir essa coletividade. Para essa construção do Terceiro Mundo, a revista mobilizou debates teóricos e figurações narrativas, além de engendrar redes transnacionais de solidariedade. Nas páginas da publicação, o conceito de Terceiro Mundo ganhou contornos multifacetados e se entrelaçou a aportes teóricos como a Teoria da Dependência e as apropriações do marxismo por movimentos de libertação nacional. Figurações compartilhadas – como o oximoro no relato dos antagonismos coloniais ou o tom heroico das narrativas sobre a luta armada e seus protagonistas – demonstram as elaborações simbólicas e dimensões sensíveis desse empreendimento. Em seus bastidores, por sua vez, o processo de edição da Tricontinental permite constatar o papel da publicação em ter engendrado itinerâncias e redes intelectuais que conectaram intelectuais e militantes ao redor do globo. O Terceiro Mundo, portanto, esteve intimamente relacionado com a Tricontinental, não só na medida em que mobilizou sua fundação, mas também por que viria a ser ele próprio construído por esse projeto editorial. PALAVRAS-CHAVE: Terceiro Mundo. Revista Tricontinental. Organização de Solidariedade dos Povos de África, Ásia e América Latina

  • Representação régia: uma questão de gênero (séculos XV-XVII)

    Este trabalho investiga a existência de uma cultura de Antigo Regime engendrada no Reino de Portugal e em seus domínios coloniais, desde o século XV até o XVII. Para tanto, colocamos sob análise as representações construídas sobre e pelos monarcas. Metodologicamente analisamos dois grupos de fontes documentais: o primeiro remete às cerimônias e aparições do Monarca e seus súditos, e o segundo, aos escritos régios que desvelam, de maneira clara e objetiva, comportamentos, hábitos e costumes marcadamente masculinizantes. Conclui-se que a literatura foi um importante pilar para a manutenção de uma cultura guerreira ibérica em declínio e para a propagação de modelos de masculinidade altamente viris no Reino e em suas colônias. PALAVRAS-CHAVE: Masculinidade. Escritos régios. Cerimônias

  • A arte como elemento de poder e propaganda no Império Neoassírio

    Este artigo tem como objetivo apresentar o propósito da arte no império neoassírio, seu contexto histórico e suas ramificações neste período. Para se alcançar esse objetivo, uma revisão de literatura a respeito da arte no Império Neoassírio, e de documentos históricos e arqueológicos foi realizada. Pode-se observar que, ao contrário da percepção geral, os palácios neoassírios não se restringiam meramente a um complexo residencial real, mas também possuíam uma função político-social. Os palácios, a partir do reinado de Assurnasirpal II, foram decorados com temas mesopotâmicos tradicionais, mas as esculturas e os relevos artísticos presentes não tinham apenas o objetivo de decorar o palácio e sim estabelecer o direito divino real perante seus súditos, especialmente a elite da qual o rei era dependente politicamente. Essas características artísticas palacianas permaneceram ao longo dos séculos e tiveram seu auge durante o reinado de Senaqueribe, durante o qual também foi possível constatar inovações artísticas. Ao examinar as evidências arqueológicas e históricas de seu palácio e contrastá-las, foi possível identificar várias discrepâncias entre si, principalmente no que se refere à audiência. Pode-se se concluir, ao considerar como exemplo a tomada da cidade de Laquis no palácio de Senaqueribe, que as esculturas e relevos artísticos poderiam ser direcionados a uma determinada audiência, e que eles, ao contrário de documentos escritos, omitiam certos acontecimentos que permaneciam acessíveis somente às pessoas de confiança do rei. PALAVRAS-CHAVE: Império Neoassírio. Relevos artísticos. Propaganda assíria

  • Ymage del mon': o corpo e o mundo no Atlas Catalão de Cresques Abraham, 1375

    O presente artigo pretende compreender as inter-relações espaciais presentes no Atlas Catalão (1375) entre o corpo microcosmo e o macrocosmo, utilizando como fundamento a visão de mundo manifesta na própria fonte sobre a relação interdependente e espelhada entre ambos, a considerar que essa relação consiste em uma perspectiva amalgamada a partir dos entrelaçamentos transculturais e transtemporais. Para nossa análise, primeiramente, apresentaremos o contexto político e social da produção do Atlas Catalão e a situação específica de seu autor, o judeu Cresques Abraham (1375). Na sequência, analisaremos a representação do homem zodiacal no fólio I da fonte, utilizando o método iconológico, com o suporte teórico de Aby Warburg, Erwin Panofsky e John Brian Harley. O homem zodiacal é uma figura recorrente em iluminuras medievais, compreendida por nós como vetor entre o macrocosmo e o corpo humano, no entanto, chegamos ao resultado de que há especificidades desta representação no Atlas Catalão que o diferenciam de outros de sua época: os gestos de seus pés, mãos e olhos, bem como outras características, como a performance corporal, tamanho de barba e cabeleira, apontam para uma profunda presença da mística judaica ibérica construída a partir de confluências culturais ao longo de séculos. PALAVRAS-CHAVE: Atlas Catalão. Homem zodiacal. Mística judaica

  • Do contrabando ao consulado: a atuação do estadunidense John Smith Gillmer na Bahia (1826-1862)

    Neste artigo analisamos a trajetória do negociante estadunidense John Smith Gillmer na Bahia, de 1826 (ano em que localizamos o primeiro registro de sua atuação na província) até 1862 (ano de seu falecimento). Com base, principalmente, em revisão bibliográfica e notícias de periódicos, procuramos demonstrar que, na contramão das perseguições realizadas pelo governo dos Estados Unidos contra cidadãos envolvidos no contrabando negreiro para o Brasil, determinados agentes, como John Smith Gillmer, conseguiram alcançar grande projeção política, sendo nomeados, inclusive, para cargos diplomáticos, a despeito da sua sabida participação no crime. O trabalho está dividido em três seções: na primeira, abordamos a inserção de John Smith Gillmer na economia brasileira; na segunda, tratamos sobre sua participação no contrabando negreiro para a Bahia; e, na terceira, versamos sobre sua alçada ao posto de Cônsul dos Estados Unidos na província. Assim, buscamos evidenciar aspectos do complexo processo que envolveu a participação de estadunidenses, bem como a intervenção do governo dos Estados Unidos, no contrabando negreiro para o Brasil. PALAVRAS-CHAVE: Tráfico de escravos. Brasil. Estados Unidos da América

Documentos em destaque