• Esboços. Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2011-03-10
ISBN:
1414-722x

Descrição:

É uma revista dedicada a divulgar e debater artigos, pesquisas e enfoques que enriqueçam a produção do conhecimento histórico.

Documentos mais recentes

  • Da radical à radicada: alteridades entre franceses e escravos no Rio de Janeiro oitocentista

    A cultura liberal francesa do século XIX estimulou uma série de identidades mobilizadas por estrangeiros no Brasil. Para essa cultura, a persistente escravidão brasileira foi tema incontornável. Se viajantes franceses mobilizaram uma alteridade radical em contraposição tanto à escravidão como a brasileiros e africanos escravizados, franceses que buscaram se radicar no Brasil modularam outras formas de alteridade. Mediante análise de relatos de viagens e alforrias, este artigo explicita os significados relacionais de liberdade e as alteridades em movimento emuladas em redes de sociabilidade que, notadamente no Rio de Janeiro, uniram viajantes, agentes consulares, comerciantes e escravos. O artigo demonstra em que medida estrangeiros radicados no Rio de Janeiro mobilizaram um vocabulário de distinções sociais e alteridades diferente daquele mobilizado por viajantes em seus relatos

  • Comparando e integrando: entre o crescimento econômico, a história global e a grande divergência

    O artigo discute o método comparativo-integrativo como ferramenta de análise de estudiosos - tais como Kenneth Pomeranz, André Gunder Frank, Jack Goldstone e John M. Hobson - ligados à perspectiva da Grande Divergência. Esses historiadores, chamados de revisionistas, criticam noções que reputam eurocêntricas sobre o crescimento econômico global entre os anos 1400 e 1800, aproximadamente. Com a comparação e a integração, os revisionistas escrutinaram os fatores holísticos que favoreceram o desenvolvimento do capitalismo histórico, apontando uma perspectiva que permite vislumbrar uma história global com amplas integrações no mundo afro-euro-asiático antes do capitalismo globalizante dos séculos XIX e XXI. Como conclusão, pode-se entender que o desenvolvimento do capitalismo histórico a partir do longo século XVI integrou múltiplos espaços do mundo afro-euro-asiático, que se condicionaram mutuamente, num processo sempre crescente de globalização das relações econômicas e de desenvolvimento de amplas redes comerciais

  • Memórias entrelaçadas: versões do passado na alemanha e no Japão, 1945-2001

    Mesmo em nossa era da globalização, os estudos de história da memória tendem a reforçar a categoria de nação. Isso vale também para as interpretações das diferentes maneiras pelas quais a Alemanha Ocidental e o Japão lidaram com suas próprias atrocidades e derrotas na Segunda Guerra Mundial. Frequentemente, os historiadores opõem o engajamento crítico com o passado recente na Alemanha à recusa japonesa em reconhecer, no pós-guerra, suas próprias responsabilidades. A causa desses desenvolvimentos divergentes é, segundo essa linha de raciocínio, invariavelmente encontrada na história interna desses dois países quando não na psique coletiva alemã e na japonesa. Em contrapartida, este artigo argumenta que debates sobre memória não se desenrolam em isolamento nacional, e que suas diferentes trajetórias precisam ser situadas em um contexto global

  • História intelectual em perspectiva global: letrados, ideias e redes na América Latina
  • Anonimato e transparência: qual o futuro da avaliação cega por pares?
  • Histórias conectadas da idade média: abordagens globais antes de 1600
  • Perspectivas da história econômica global da baixa idade média

    Este artigo tem como objetivo apresentar as linhas gerais de um modelo teórico capaz de conduzir uma abordagem econômica da Baixa Idade Média a partir de uma perspectiva global. Para tanto, começaremos reconhecendo as dificuldades inerentes a esse desafio. Na primeira seção, passaremos em revista diferentes estratégias adotadas pela historiografia diante do desafio de conduzir uma investigação utilizando, como unidade de observação geográfica, a macroescala. Na segunda seção, apresentaremos brevemente algumas propostas de História Global, chegando a uma situação historiográfica radicada na oposição de dois modelos constrangedores para o pesquisador em História Medieval: uma teoria que vê o início de relações globais apenas a partir do século XVI, e uma teoria que identifica relações globais a partir da Revolução Neolítica, concedendo pequena importância, quando não um juízo desfavorável, ao período medieval. Na terceira seção, a partir da análise dos fluxos comerciais existentes entre o mar Negro, a Itália e o noroeste da Europa durante o século XIV, teremos oportunidade de elencar algumas características do comércio transcontinental do período. Terminaremos com uma breve reflexão sobre a possibilidade de construir um modelo teórico capaz de investigar o emaranhado de conexões econômicas de longo alcance geográfico que existiam em um mundo essencialmente fragmentado, evitando teoremas gerais abstratos em favor da observação das singularidades locais

  • IBN fadlan and a by-passed remark on an imaginary geographical topos: some observations on the decreasing factual credibility regarding the caucasus area of the silk road

    This article looks at some aspects of Ibn Fadlan’s journey to the steppe during the 10th Century to ostensibly establish friendly relations between the Abbasid Caliphate and the Volga Bulgars. He left a detailed account of his trip, which includes remarks on the mythical people of Gog and Magog, traditionally considered the eschatological enemies of the civilized world. Ibn Fadlan was somewhat incongruent regarding his portraits and opinions of the Slavic or Turkic people he found in the steppe. The main contribution of this article relates to Gog/Magog and modern conceptions of the "Silk Roads", especially concerning their extension in the North paths and their permanence in the longue durée. In this respect, some modern theses regarding these issues must be tackled, most remarkably, that of Peter Frankopan and Barry Cunliffe. Other Arabic travels to the North are also examined in order to discuss cultural continuities and breaks between the steppe and the Mediterranean world. The main objective of this article is to show that Ibn Fadlan, in spite of his alleged accuracy, also shared, even if en passant, some of the literary topoi of his time and subsequent historians and geographers added to the mythical apocalyptic theme nearly forgotten currently, namely the boundaries of civilized world and Gog/Magog. This article concludes that Ibn Fadlan was probably the first Arabic historian to believe and thrive on the study of these people, whereas his successors overstated information about them, from the 13th Century on

  • A coleção de tours de atas do concílio de éfeso (431): um testemunho carolíngio de ressignificação doutrinária e circulação de textos no mediterrâneo tardo antigo

    Este trabalho visa compreender a multiplicidade de sentidos e experiências históricas que se cruzam no manuscrito latino conservado na Bibliothèque Nationale de France sob o número 1.572, outrora conservado em Saint-Martin de Tours e que preserva uma coleção de "atas do concílio de Éfeso (431)" nomeada a partir dele. Defendo inicialmente a própria desconstrução da ideia de que o concílio de Éfeso tenha produzido atas em sentido estrito, alinhando-me às ideias de Eduard Schwartz acerca tanto do faccionalismo desse encontro como do caráter propagandístico das coleções documentais produzidas pelos partidos em choque nesse momento e por novos grupos eclesiásticos que deram novos sentidos à disputa cristológica após o concílio de Calcedônia (451). Passando em revista, em seguida, pela recepção do debate efesino no Ocidente latino, procedo a uma breve descrição dessa dita coleção de Tours, levantando hipóteses sobre a datação e o local de seu arquétipo (segundo quarto do século VI em Constantinopla). Por fim, voltando-me ao contexto da Gália, ofereço uma hipótese de transmissão da coleção por meio de um itinerário mediterrânico associado à dita controvérsia dos Três Capítulos, concluindo que sua recepção e produção no período carolíngio se deu tanto por meio da recuperação de sentidos produzidos ao longo dessa longa e difusa cadeia de transmissão mediterrânica quanto por novos interesses e necessidades que surgiam nesse momento na Gália carolíngia e que não necessariamente se vinculavam à polêmica cristológica

  • Estado, desenvolvimento sustentável e governança no Brasil: políticas públicas para energia e água pós Rio-92

    Com o objetivo de compreender como se processou a incorporação do conceito de desenvolvimento sustentável às políticas públicas de gestão dos recursos naturais para a geração de energia, tomamos o uso da água como exemplo e problematizamos a questão a partir da discussão sobre o público e o privado na concepção de governança, entendida como ação do Estado na elaboração de políticas públicas. O espaço e o tempo da análise é o Brasil pós Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio 92, caracterizado pela reforma neoliberal iniciada com Fernando Collor de Mello e da retomada da criação de empresas estatais atuantes no uso dos recursos naturais em diálogo com o mercado durante os governos Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. A criação de uma estrutura institucional contemporânea aos princípios de desenvolvimento sustentável trouxe consigo a problemática da mudança na percepção quanto ao valor de uso e troca da água em que a questão do acesso frente a uma relação entre desiguais existente na gestão do Estado e entre iguais na sociedade civil participa das redefinições ocorridas com o advento do conceito difundido a partir de 1992. O conceito desenvolvimento sustentável se mostra indissociável da problemática do uso dos recursos naturais, cuja posição mais ao mercado ou mais ao Estado oscila entre as e dentro das ações estatais no que diz respeito a sua posição como agente econômico

Documentos em destaque