• Direitos fundamentais e alteridade

Editora:
Universidade Católica do Salvador - UCSAL
Data de publicação:
2019-05-30
ISBN:
2595-0614

Documentos mais recentes

  • A morte e o morrer em Pierre Bourdieu

    O presente estudo analisa e discute a morte e o morrer na atualidade. Para tanto aborda conceitos trabalhados por Pierre Bourdieu para caracterizar o poder simbólico dentro do campo da saúde e a formação do seu habitus. Essas práticas, e, particularmente a finitude humana, ainda são consideradas um mito, diante das diferentes liturgias, uma vez que a própria religião é considerada uma estrutura. A ideia é estabelecer um estudo comparativo de como estas foram, são e serão empregadas no cenário nacional, pois a forma de agir constitui o “habitus” e fundamenta bases científicas para a melhoria da qualidade de vida da população brasileira. Aspectos jurídicos são enaltecidos diante da existência de julgamentos, envolvendo início e fim da vida humana, como o caso das células-tronco, aborto dos encéfalos, conclamando à reflexão sobre a espiritualidade e, consequentemente, sua cientificidade.

  • O uso dos transgênicos sob a ótica da análise econômica do direito: uma questão de alteridade

    Este artigo tem como objetivo geral analisar quais as consequências da decisão de liberar ou não o uso dos transgênicos, levando em consideração os instrumentais da análise econômica do direito (AED) que estabelecem que os homens respondem a incentivos. Para isso, foram traçados os seguintes objetivos específicos: a) definir transgênicos; b) abordar os argumentos sobre as vantagens e desvantagens da liberação do uso dos transgênicos; c) situar conceitualmente a análise econômica do direito. Para tanto, foram utilizadas duas técnicas da análise econômica do direito (AED) positiva e normativa.

  • Editorial
  • Os direitos da personalidade do trabalhador e o controle de relacionamento amoroso no ambiente de trabalho

    O presente estudo tem por objetivo analisar até que ponto é permitido ao empregador, no uso do seu poder diretivo, intervir na esfera pessoal do empregado, impedindo ou permitindo relacionamentos amorosos entre funcionários a ele subordinados. Para tanto, será analisada a abrangência do poder diretivo do empregador e a incidência dos direitos fundamentais nas relações privadas, principalmente, o direito à intimidade e privacidade. O método utilizado foi o argumentativo dialético e a pesquisa exploratória através da análise de obras, legislação e jurisprudência.

  • Reflexões sobre a morte e o laicismo no direito brasileiro

    O aborto é tema gerador das mais apaixonadas discussões sobre o direito à vida e o princípio da dignidade humana. Buscando contribuir para o debate, que volta a implicar o Poder Judiciário em razão da ADPF 442, o artigo se propõe a tratar do assunto sob uma perspectiva interdisciplinar e holística do tratamento dispensado à tutela da vida e da morte no ordenamento jurídico pátrio para, sem ignorar completamente outros fatos sociais relevantes como a eutanásia e a pena capital, discutir os limites da ação do juiz, considerando que este deve assumir um posicionamento laico, garantindo a supremacia e a harmonia do sistema legal.

  • Pesquisas científicas com seres humanos e disposição relativa sobre o próprio corpo: uma análise à luz do consentimento do ofendido

    O presente trabalho teve como objetivo ponderar a relevância do Direito Penal no que tange à utilização de seres humanos em pesquisas científicas experimentais, sob o prisma do consentimento do ofendido, especialmente quanto à disposição relativa sobre o próprio corpo. Desse modo, fez-se necessário avaliar os reflexos da autonomia da vontade, quando confrontada com bens jurídicos extrapatrimoniais, e sua repercussão na esfera penal. Além disso, foram confrontados os institutos penais que consideram a colocação do sujeito em risco com os regimentos de caráter ético a respeito do tema. Enfim, chegou-se ao entendimento sobre o comportamento da esfera punitiva em relação à disponibilidade de um bem extrapatrimonial em procedimentos experimentais científicos.

  • Entre o ser e o dever ser

    Através do presente artigo, pretende-se refletir sobre a natureza do Direito no pensamento de Hans Kelsen, a partir da investigação dos pressupostos epistemológicos sobre os quais se fundamentam o conhecimento do fenômeno jurídico expresso na sua obra Teoria Pura do Direito (1934). Descreve-se, então, o processo de construção do discurso kelseniano. Caracterizam-se, posteriormente, as contradições no seio de sua fundamentação epistemológica para seguirem-se as críticas à sua concepção de Direito. Sugere-se uma compreensão do fenômeno jurídico relacionado à realidade social na qual está inserida.

  • Políticas públicas de accesibilidad de inseminación artificial: planificación familiar como efectivación de dignidad de la persona humana

    O presente trabalho visa uma análise de políticas públicas de acessibilidade do planejamento familiar, mais especificamente para famílias homoafetivas e de baixa renda, como forma de efetivação da Dignidade da Pessoa Humana, da liberdade, da igualdade e do exercício da cidadania, não só no que se refere aos métodos anticonceptivos, mas também aos de inseminação artificial, destinadas às famílias carentes e homoafetivas, como forma de efetividade dos direitos fundamentais, previstos na Carta Magna. Com abordagem qualitativa, a identificação e construção de princípios têm como base a investigação exploratória através de pesquisa bibliográfica em andamento, quanto ao exercício do Estado no planejamento familiar para famílias carentes e homoafetivas, mais especificamente em relação à existência de políticas públicas de inseminação artificial, além da investigação analítica que faz a correlação de fontes entre documentos dos sites do Governo.

  • O reconhecimento do bem viver como um direito fundamental

    Este artigo resulta de pesquisa realizada pelo autor sobre a viabilidade de uma Constituição da República elaborada com o resgate da memória sociocultural e da ética indígena. Seria possível a inclusão dos direitos de bem -viver no texto constitucional? Esses princípios de bem viver poderiam integrar a Constituição da República Brasileira, como se verificou em países de forte tradição indígena como o Equador e a Bolívia, que estabeleceram a primazia da multiculturalidade e da preservação dos interesses coletivos indígenas? A correção do comportamento individual, a partir dos exemplos de bem-viver retratados nas constituições boliviana e equatoriana, seria possível no Brasil? A pesquisa concluiu que não se aplica no Brasil o direito de buen vivir como idealizado pelos constituintes da Bolívia e do Equador. Sob a ótica da técnica constitucional, seria possível a inclusão de novos princípios, inclusive os relacionados ao bem-viver, acredita-se na dificuldade da efetividade desses princípios no país e conclui, ainda, que um retorno à ética dos índios pode trazer relevantes contribuições para o restabelecimento da ética pública.

  • Editorial

Documentos em destaque