• Boletim de Pesquisa - Nelic

Editora:
Universidade Federal de Santa Catarina
Data de publicação:
2011-03-11
ISBN:
1984-784X

Descrição:

É uma publicação promovida pelo NELIC - Núcleo de Estudos Literários e Culturais com ênfase na produção dos estudos sobre Periodismo e periódicos literários e culturais no Brasil e na América Latina.

Documentos mais recentes

  • A ópera

    O texto aqui apresentado é um capítulo extra de Opisanie swiata, romance que publiquei em 2013. Trata-se de um livro que nasceu intimamente relacionado com minhas pesquisas à época, sofrendo influências de várias leituras de então na sua escrita. Uma das leituras que mais me influenciou foi Maria com Marcel, de Raul Antelo, que teve um impacto imenso não só sobre as pesquisas que eu vinha desenvolvendo e que desenvolvi nos anos posteriores, mas também na construção do romance, por conta do modo como Antelo tratava alguns temas que eram caros para mim: as relações entre América e Europa e a ênfase em certos autores mais deslocados do modernismo brasileiro, como Raul Bopp, Flávio de Carvalho e a própria Maria Martins. “”, portanto, quer ser, de um modo enviesado, um ensaio ficciona...

  • Três leitores

    A novela Palmeiras selvagens, de William Faulkner, dispara, neste artigo, o gesto anacrônico e arquifilológico com o qual procede o crítico Raúl Antelo em boa parte de suas reflexões: o gesto de, em vez de ler um texto em si mesmo ou em seu autor, lê-lo em seu leitor. Persigo, em vestígios dispersos por entre cartas, diálogos, entrevistas, a montagem de uma cena em que os cineastas Glauber Rocha, Jean-Luc Godard e o escritor Jorge Luis Borges travam uma conversa silenciosa em torno desse um livro. Tais traduções e leituras frustram formalizações e desobedecem a cânones. Produzem-se aos saltos, tal como projetou Macedonio Fernández em seu Museo de la novela de la eterna

  • Antelo com Llansol: Uma genealogia entre arquifilologia e trans-história

    Em desdobramentos espaço-temporais muitas vezes distintos ou até mesmo divergentes, Raúl Antelo e Maria Gabriela Llansol partem de histórias da literatura, não à toa, para pensar a possibilidade de uma política que emerge como modo de ação e visibilidade daquilo que chamaremos os restos da história. Entendendo Antelo e Llansol como leitores ativos de uma modernidade porvir, abrimo-nos à percepção, de que seus textos, mesmo sendo produzidos por dentro do tempo da modernidade, não deixam, também, de operar na desconstrução de seus espaços hegemônicos. Ambos, munindo-se de novos referenciais, contrapõem-se aos modelos dilemáticos de modernidade, interessando-se em compor uma espécie de genealogia subversiva

  • Alegria: uma aventura em trânsito

    O artigo tem como proposta analisar o tema da alegria, como uma aventura em trânsito, propondo, para isso, dois aspectos da alegria que permitem percebê-la em sua totalidade. O embate do real e irreal surge, então, a partir de uma análise da alegria em sua perspectiva trágica. Um dos aspectos trata da alegria demoníaca, como choque, colisão; e outro da alegria dançante, leve. Ambos como forças afirmativas da vida. Antelo, Molder, Lispector, Deleuze, Nietzsche, Agamben e Potkay são os autores que embasam o artigo. Cada autor, a partir de uma perspectiva sobre alegria, traz contribuições que possibilitam a reflexão acerca de uma alegria trágica, afirmativa da vida em todas as suas forças

  • Sombras e agua fresca

    Na tentativa de aproximação dos procedimentos de Raúl Antelo, este ensaio constrói teias e tece relações etimológicas entre termos que passam pelo colporteur, o vocábulo árabe El-Matrac, o mascate, a palavra tract do francês, em português panfleto, e propõe um avizinhamento com as atividades dos aguadeiros. A conjunção sugerida desemboca no achamento da água no subúrbio do Rio de Janeiro e sua posterior comercialização pelas mãos do aguadeiro Domingos Camões. Mediante o cruzamento desses termos e informações, frente ao topônimo carioca ? o bairro de Água Santa ? o texto sugere o reencantamento do mundo e a reativação da história (ainda que inventada, ficcionada), bem como a postura anti-teológico-política para “uma crítica que resgate o caráter acéfalo da existência”, que Antelo nos de...

  • Apresentação

  • Raul Antelo e a escritura órfica de Clarice Lispector

    O trabalho evidencia a estreita relação entre a noção de vazio e a temática do feminino teorizada pela psicanálise. Para tanto, aborda alguns textos de Clarice Lispector tendo como fio condutor as análises que o crítico literário Raúl Antelo faz de alguns de seus textos. Pretende-se evidenciar que, para Antelo, a obra de Clarice é uma escritura órfica, que salva seu objeto na medida em que renuncia a ele. Em Clarice, o texto é tomado como um fim em si mesmo, que surge a partir de uma potência criativa, uma posição subjetiva que ao invés de procurar suturar o vazio de sentido, busca tomá-lo como impulso para transfigurar o que na vida escapa ao sentido, celebrando uma ética de orientação trágica que a impele a criação de novos sentidos

  • Étant donnés: Raúl viu a vulva (¡Ave María!)

    Tanto na edição argentina, Maria con Marcel (Duchamp en los trópicos), de 2006, quanto na brasileira, Maria com Marcel (Duchamp nos trópicos), de 2010, ambas versões de um dos livros-chave assinados por Raúl Antelo, comparece uma fotografia do autor “atrás do Pequeno vidro de Marcel Duchamp”, como nelas informado, indicação a que segue a referência: “Museum of Modern Art, Nova Iorque, 2004. Foto A.G.” Tal fotografia constitui o porto de partida para a proposição de um conjunto de reflexões acerca das potências anartísticas, desdobradas de uma série de coincidências duchampianas, dispostas pelo exercício anarcrítico anteliano ao longo daquele mesmo livro tornado outro de si

  • Adalgisa Nery e a literatura anáglifo diante e contra as imagens

    Este artigo busca pensar a escrita da escritora brasileira Adalgisa Nery, principalmente suas obras A Imaginária (2009) e A Neblina (1972), através do pensamento arquifilológico de Raúl Antelo. Ao encarar as imagens de Adalgisa propostas por Ismael Nery, Cândido Portinari e o poeta Murilo Mendes, o artigo pretende, diante da escrita de Adalgisa, a desativação destas imagens para que elas se tornem centros vazios, ou seja, que se mantenham novamente disponíveis a outras articulações de história, memória e política. Neste sentido, utilizamos a imagem de um anáglifo proposto por Adalgisa: a sobreposição de imagens lado a lado que ao mesmo tempo em que apontam para uma profundidade, desarticulam o olhar deste centro

  • An-arquivista babélico

    O ensaio traça alguns percursos do procedimento arquifilológico do pensador Raúl Antelo, a partir do duplo fantasma presente, como ele próprio aponta, nos arquivos: a ilusão tautológica e a crença. Esse duplo fantasma é confrontado pelo pensamento de Raúl Antelo através da imagem do an-arquivista, a qual desestabiliza a noção de autonomia nas artes

Documentos em destaque